Uma censura Gentili

Fogo Fátuo é a crónica semanal de Rui Cruz para a Comunidade Cultura e Arte

Rui Cruz é humorista, stand up comedian e um génio (palavras dele). Escreve coisas que vê e sente e tenta com isso cultivar o pedantismo intelectual que é tão bem visto na comunidade artística.

Juro que nunca pensei que em 2019 iria falar tantas vezes de liberdade de expressão e censura, mas aparentemente é o tema do momento. Pois é, e desta vez porquê? Por causa da condenação a 6 meses de prisão em regime semi-aberto do humorista brasileiro Danilo Gentili.

Bom, fosse um humorista de esquerda a ser condenado à prisão no Brasil de Bolsonaro e não faltariam acusações de fascismo de toda a nossa esquerda intelectual, como neste caso o comediante é de direita, parece que é na boa e impera o silêncio. E antes que comecem com tretas, não, não estou a “defender” o Danilo por ser fã (não deve estar sequer na lista dos meus 50, para não dizer 100, favoritos) e nem por estar no mesmo lado da barricada política que ele (não estou, simpatizo 0, para não dizer -42, com o Bolsonaro), mas sim porque, tal como ele, também gosto de esfregar documentos nos tomates. Especialmente quando esses documentos são uma ordem para apagar piadas numa rede social.

Faz-me mesmo muita impressão este silêncio dos nossos defensores da liberdade. E faz-me porque é a prova de que afinal a liberdade de expressão, para esta gente, tem uma zona VIP povoada apenas por eles e pelos seus. Não vou sequer discorrer sobre a qualidade da piada (neste caso um vídeo), essa é subjectiva e não tem qualquer relevância para o caso, mas sim falar da sentença absurda e da reacção completamente hipócrita do pessoal que defende que as prisões brasileiras estão cheias e que não reabilitam ninguém, mas que agora batem palmas porque esse grande facínora que faz piadas foi condenado. Então? A prisão afinal é boa ou má? É bom que se decidam, até porque a continuar assim, qualquer um de vós pode ir lá parar quando bater com dedo do pé numa cómoda e a apelidar de “filha da puta”.

Não estou com isto a dizer que a deputada Maria do Rosário não tem o direito de processar o Danilo. Claro que tem! E até podia ter ganho o caso na boa, o Danilo ser condenado a uma multa (como foi o Rafinha, se bem já aí achei absurdo, principalmente o valor em causa, mas é um facto que é um direito que assiste a todos), um pedido de desculpas formal, etc., o que não pode acontecer é esta sentença. Prisão? Mas andamos todos malucos? É que isto abre um precedente gravíssimo. Por exemplo, o Gregório Duvivier está em vias de ser igualmente processado, sendo neste caso o humorista de esquerda e o possível queixoso de direita, mais precisamente o próprio Bolsonaro, o mesmo Bolsonaro que defendeu publicamente o Danilo (sim, eu sei, isto é difícil de perceber, mas no mundo moderno a coerência é muito mal vista e tudo se resume a um jogo de futebol onde o bom senso não tem espaço e toda a gente grita apenas pelo seu clube), ora depois desta sentença proferida, quem garante que o Duvivier não vai também bater com os costados na choldra? E depois do Danilo e do Duvivier, quem garante que não é o Jô Soares porque um dia arrotou à mesa e ofendeu o cozinheiro? É absurdo.

Lembro-me que há uns anos um deputado do CDS me mandou uma mensagem a exigir que eu apagasse umas piadas que tinha feito com o partido e que se não as apagasse ia ser processado. Ora, como é meu apanágio, mandei-o para o caralho. Assim, com todas as letras. Ainda hoje não sei se foi ou não, mas o que é certo é que não recebi nenhuma nota para ir a tribunal. Anos mais tarde, recebi ameaças de um pequeno funcionário do PCP que dizia que ia meter o partido a tratar do fim da minha carreira porque fiz piadas com eles. Ora, como é meu apanágio, mandei-o igualmente para o caralho. Também não sei se foi ou não, mas continuo aqui a fazer as minhas cenas. Hoje, da maneira que as coisas estão a ir, se calhar não só tinha ido mesmo a tribunal como ainda tinha pessoal a cantar-me a Grândola sempre que subisse a um palco. Porque estas pequenas vitórias da mesquinhez e da ditadura do gosto pessoal espalham-se como metástases e infelizmente aqui a quimio não funciona.

É inacreditável, para mim, olhar para os dias de hoje e sentir que há mais liberdade individual para seres o que quiseres, mas ao mesmo tempo cada vez menos para dizeres o que quiseres. E mais ainda quando esta censura mascarada de moral é usada não com o objectivo de melhorar a sociedade, mas sim como arma de arremesso político. E não é exclusivo do Brasil, como podemos comprovar pelo escarcéu que a nossa direita levantou quando o João Quadros fez a piada das cabeças rapadas na casa do Passos e vários dirigentes políticos defenderam o seu despedimento enquanto a esquerda o defendia; e o escândalo que a mesma esquerda que defendeu a liberdade do João fez quando foi o Rui Sinel de Cordes a escrever a piada do atentado de Orlando, exigindo igualmente o seu despedimento enquanto a direita que tão solícita foi na condenação do Quadros ficou calada. E isso é que é triste, saber que a liberdade de expressão só existe e é bem-vinda quando dá jeito, quando está do teu lado, quando é tua e dos teus amigos e quando dela podes tirar partido ou, principalmente, protagonismo.

No meio disto, que só me irrita, salva-se hoje a estreia da última temporada do Game of Thrones. E antes que as coisas piorem e comecem a sair mais penas de prisão, deixem-me aproveitar para dizer: tu aí que estás mortinho para fazer spoilers, vai te foder! Assim, com todas as letras.

Se quiseres ajudar a Comunidade Cultura e Arte, para que seja um projecto profissional e de referência, podes apoiar aqui.

Exit mobile version