Woody Allen: quando o realizador é a banda sonora

4 JULHO, 2017 -

Woody Allen, o clarinetista, vem a Lisboa para um concerto com a New Orleans Jazz Band no Coliseu. Uma banda que bate o pé ao sabor do improviso e responde ao papel atribuído em cada momento

Quando Woody Allen nasceu, em 1935, o jazz era música popular e ouvia-se nas rádios. “A música que se ouvia era de Benny Goodman e Count Basie, havia canções de Gershwin, Cole Porter, Rodgers & Hart, Jerome Kern e Irving Berlin. Eu achava aquela música maravilhosa. Aos dez anos sabia de cor qualquer canção de Gershwin, Cole Porter, Kern. E adorava a música dos anos 20 e 30”, contou em entrevista.

Devorador compulsivo de informação, aos 15 anos começa a escrever, faz rádio e…aprende a tocar clarinete. A banda sonora nasce geminada com o futuro argumentista, depois de se ter deslumbrado com o talento prodigioso do músico Sidney Bechet.

Estuda com o clarinetista e saxofonista Gene Sedric e em 1970 funda a New Orleans Funeral and Ragtime Orchestra, quando a imagem de Woody Allen começa a tomar a forma que conhecemos.

Os universos cinematográficos e musicais são indissociáveis mas, enquanto o Woody Allen realizador não imagina o filme sem a banda sonora, o instrumentista não precisa de olhar a música com outros olhos que não aqueles com que uma era dourada do jazz é recebida. Ao clarinete, Woody Allen é o protagonista de um concerto com a New Orleans Jazz Band em que irá apresentar um tributo improvisado a ícones como Louis Armstrong, George Lewis e o homem que lhe mudou a vida para sempre, Sidney Bechet.

É provável que o fascínio pela figura e a admiração pela cinematografia leve ao Coliseu dos Recreios alguns curiosos e outros espetadores menos conhecedores do percurso musical, mas convém alertar que o músico que há em Woody Allen é um ortodoxo e defensor ferrenho da espontaneidade e improvisação coletiva.

Eddy Davis no banjo, Conal Fowkes no piano, Simon Wettenhall no trompete, Jerry Zigmont no trombone, John Gill na bateria e Greg Cohen no baixo são “atores secundários” essenciais para Woody Allen poder brilhar no papel menos conhecido mas crucial para compreender o diálogo entre som e imagem. “Utilizando um repertório superior a mil canções, Woody Allen vai escolhendo durante o concerto os temas que se sente inspirado a tocar, respeitando um atributo primordial do jazz, que é o improviso. Com a ajuda de Eddy Davis, que toca banjo e é diretor musical da New Orleans Jazz Band, Woody Allen desafia o coletivo de músicos em palco e o público a acompanharem-no numa jam digna de um clube de jazz nova-iorquino – como The Carlyle, em Manhattan, onde tocam, desde 1996”, adverte um comunicado de apresentação do concerto de hoje à noite no Coliseu dos Recreios (20h30, com bilhetes entre 25 e 120 euros).

Ou seja, para este grupo de sete músicos, a pauta a seguir é a da vontade própria. O octogenário Woody Allen (1 de dezembro de 1935) ainda tem espaço suficiente na memória para reter catálogos de clássico e interpretá-los sob um guião pessoal de prazer e homenagem.

As digressões não têm sido tão frequentes como os filmes – as últimas visitas datavam do biénio 2004/2005 ao Casino Estoril e Centro Cultural de Belém, respetivamente -, mas são frequentes as apresentações da New Orleans Jazz Band em Nova Iorque, com participações regulares de Woody Allen.

Em 2012, Angelina Jolie introduziu e recebeu a estatueta para Melhor Argumento de “Meia-Noite em Paris” porque o autor do filme estava num clube a solar como se não houvesse cerimónia, na passadeira que lhe importa: o palco.

Hoje, o Coliseu não terá “o fumo e o charme de uma certa decadência própria dos clubes, é certo”, mas não lhe faltará “o que o público merece: músicos de enorme rigor técnico a improvisar e a divertirem-se”, refere a nota introdutória.

Woody Allen celebrará a memória do tempo do vinil e também um sentimento de eterna juventude reconhecível na sua filmografia. O músico não fará esquecer o cineasta, mas é mais do que turista, apropriador de uma herança cultural ou monge copista de uma das mais sérias heranças da música americana.

O jazz pode ter perdido importância na cultura popular e não será Woody Allen, o clarinetista, a resgatá-lo graças à projeção adquirida no cinema, mas a abordagem é a de um músico sério e comprometido com a história.

Na ressaca da vitória na Eurovisão, Salvador Sobral congratulava-se por ter em “Excuse Me” um disco de jazz no lugar cimeiro da tabela de vendas. O Coliseu será o palco da cena mas, tal como nos filmes, esta música pode ser vibrante, convidativa e até lúdica. Sugerir histórias, personagens e lugares. Mas tem densidade e convida à reflexão.

Artigo escrito por Davide Pinheiro, publicado no nosso parceiro jornal i

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

Woody Allen está para as curvas. Para além do habitual registo cinematográfico que vai deixando

Cícero escreveu que «Uma casa sem livros é como um corpo sem alma». Não neces

O festival de cinema FEST - Novos Realizadores, Novo Cinema co