Viet Thanh Nguyen: a Guerra do Vietname e a oposição de perspectivas

11 AGOSTO, 2017 -

A Guerra do Vietname, como lhe chamam os Americanos, ou a Guerra dos Americanos, como lhe chamam os Vietnamitas, opôs o Vietname do Norte, apoiado fundamentalmente pela União Soviética e pela República Popular da China, ao Vietname do Sul, apoiado fundamentalmente pelos Estados Unidos da América, naquele que foi um dos conflitos das chamadas guerras indirectas durante a Guerra Fria. É nesse quadro geral da Guerra Fria que os americanos veêm a guerra, mas para os vietnamitas, o que se discutia ali, mais que o poder de russos ou americanos, era mesmo o futuro do seu país. Referências diferentes trazem perspectivas diferentes.

É neste contexto que O Simpatizante, vencedor do prémio Pulitzer para Ficção 2016, do escritor americano de origem vietnamita Viet Thanh Nguyen, nos chega, agora editado em português pela Elsinore, e contando-nos, na primeira pessoa e em forma de confissão para um comandante captor, a história de um agente duplo que, secretamente alinhado com o comunista Vietname do Norte e os Vietcongues, se faz passar por combatente do Vietname do Sul, onde desempenha o cargo de assistente de um general vietnamita que combate os vietcongues com a ajuda dos EUA. Após a queda de Saigão, capital do Vietname do Sul, último bastião da luta frente aos Vietcongues, o narrador foge, juntamente com tantos outros refugiados, para os EUA, onde se vê obrigado a começar uma vida nova.

O próprio autor foi um dos que veio para os EUA por causa do conflito, tendo chegado com 3 anos e tendo crescido na zona de San Jose, California. Com o intuito de contar a história daquelas que se viram obrigados a ir viver para um país para onde a grande maioria não queria ir, Nguyen põe-nos no centro desta dinâmica, expondo a forma como os EUA, país formado por colonizadores e refugiados, sente dificuldade em lidar com quem vem de fora e, ao mesmo tempo, a forma como quem vem de fora tem dificuldades em lidar com a sua nova situação. Neste expoente máximo do capitalismo, todos estes vietnamitas se viam confundidos com chineses, e viam-se, inevitavelmente, transformados. Tinham de fazer pela vida, implicando dedicar-se a ocupações diferentes:

“Um coronel, (…), era porteiro. Um major impetuoso que pilotava helicópteros de combate era agora mecânico. Um capitão encanecido com jeito para caçar guerrilheiros; cozinheiro. Um tenente desapaixonado, único sobrevivente da emboscada a uma companhia: distribuidor.”

Outros acabavam por sucumbir a essas transformações:

“Foi assim que soubemos do clã que foi transformado em trabalhadores escravos por um agricultor de Modesto, (…) da mulher de um político que foi despromovida à limpeza de arrastadeiras numa casa de repouso e que certo dia se passou dos carretos, atacou o marido com uma faca de cozinha e foi internada numa ala psiquiátrica, (…) e do budista devoto que espancou o jovem filho e foi preso por maus-tratos a menor em Houston, e do proprietário que aceitava senhas de refeição em troca de pauzinhos para comer e que foi multado por infringir a lei em San Jose (…)”

O narrador, mesmo tendo estado previamente a fazer os seus estudos universitários nos EUA, ou ainda mais devido a isso, sentia na mesma as influências americanas e ocidentais a penetrar dentro do seu ser, até por oposição às suas próprias convicções. Mas a sua tendência para uma certa ocidentalização podia provir também de outro facto: ser bastardo e mestiço, cruzamento entre uma mãe vietnamita e um pai francês que nunca o reconheceu, padre e missionário no Vietname onde, além de espalhar a mensagem do senhor, passou também a semente. Este seu próprio estatuto tornara-o alvo de descriminação entre os seus compatriotas vietnamitas ao longo de toda a sua vida, um representante daquilo que o colonialismo e o imperialismo trouxeram ao Vietname. Todas estas características, em conjunto com o facto de ser agente duplo, levam a que este narrador seja o agente, se não perfeito, bastante adequado a explorar aquilo que, mais que a própria trama da narrativa, O Simpatizante tem de mais interessante: a exploração por parte do autor das diferentes perspectivas em relação a algo que muitas vezes julgamos objectivo. É acima de tudo sobre esta relação entre pontos de vista que se debruça o livro, aproveitando bastante bem o papel de agente duplo do narrador para nos trazer a perspectiva de cada um dos diversos lados, não só do conflito, mas também da psique humana e da forma como, em grupo ou individualmente, acabamos por manipular o nosso ponto de vista sobre o ponto de vista dos outros. Neste caso, a nossa percepção ocidental (focada nos EUA) impede-nos de compreender que do outro lado de um conflito também se encontram humanos, e que esses humanos são tão permeáveis ao erro quanto nós somos. Ambos os lados do conflito sofrem com as atrocidades do outro lado, mas, acima de tudo, moldam a sua perspectiva no sentido de se ilibarem e de depositarem a culpa nos outros.

Levando-nos através da adaptação de alguém a uma cultura diferente da sua, por entre coca-colas e corrupção política, já que “é impossível viver entre as pessoas de um outro país e não ser transformado por elas” (ao ponto de nem os seus próprios companheiros o aceitarem de volta), são nos mostrados os mecanismos e as manigâncias feitas pela CIA para tentar reerguer e apoiar uma nova investida contra a agora República Socialista do Vietname. Para isso armavam os refugiados vietnamitas e tentavam coloca-los de novo no terreno, transformando-se, agora que iriam invadir o seu país comunista, em americanos. O protagonista é, portanto, obrigado a viver com os seus próprios fantasmas, inerentes a ter de obedecer ao lado que não apoia para poder passar informações ao outro lado, o seu. Mas Nguyen não nos deixa isolados com as críticas às acções dos EUA, não só a perspectiva de agente duplo, como os próprios factos do conflito, a mostrarem que a crueldade era inerente a ambas as partes, com ambos os lados a servirem de espelho um do outro.

É daí que parte a vontade de mostrar um conflito que, mesmo tendo sido vencido pelos vietnamitas, acaba por ser reescrito sempre na versão dos americanos, “a primeira guerra em que seriam os derrotados a escrever a história e não os vencedores.” Tal está inegavelmente relacionado com a indústria do cinema de Hollywood, num país onde não é necessário ministério da propaganda porque Hollywood já cumpre a sua função. Naquela que é, sem grandes dúvidas, a melhor secção do livro, o narrador, sempre com a pitada de humor e sarcasmo que preenche toda a obra, vai trabalhar como consultor para a realização de um filme de Hollywood de um dito Autor (claramente inspirado em Francis Ford Coppola e, consequentemente, em Apocalypse Now), sobre a guerra do Vietname.

Sendo a produção toda feita nas Filipinas, onde o narrador estava encarregue de ajudar com os figurantes vietnamitas que eram refugiados instalados no país, somos confrontados com todas as alterações e usurpações feitas pelo Autor a favor da narrativa mostrando sempre apenas a versão americana do conflito, os vietnamitas a terem direito a falas apenas quando o intuito é uma cena de violação feita por vietcongues. “Hollywood era muito mais eficaz ao imaginar os países que pretendia explorar”, e tirava as conclusões que queria em relação aos povos que retratava. Mesmo tendo perdido a guerra, através de filmes como este, a América passava a sua versão, a sua mensagem, e impedia a do outro lado de passar. Sempre foi esse, aliás, o intuito da guerra fria. Mesmo os povos que se veriam mal retratados, não sentiriam isso até se aperceberem que eram eles os alvos da pancada e da usurpação. “O importante era verem e adorarem uma história americana, até ao dia em que eles próprios fossem bombardeados pelos aviões que tinham visto nos filmes americanos.

Num livro que acaba por sofrer a certas alturas com a mudança de estilo, principalmente no final, que parece algo separado do resto do livro, Viet Thanh Nguyen faz um trabalho importantíssimo de mostrar não só a vida de refugiado e de imigrante nos Estados Unidos da América, mas também de contrariar a visão inflexível do mesmo. “Se formos representados por outras pessoas, será que elas não podem um dia varrer a nossa morte do terreno escorregadio da memória?”, pergunta-se o narrador, e também Viet Thanh Nguyen, que espera impedir essa morte contribuindo com a sua representação para o estabelecimento desta memória comum.

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

Lloro por ella. Assim poderia começar “Yoro” (Elsinore), de Marina Perezagua (n.1978, Sevilha)

Helen Oyeyemi criou uma certa reputação nos seus poucos anos de ofício como escritora. Escolhida

O livro 'A guerra não tem rosto de mulher', de Svetla

Prestes a saber qual será o vencedor do prémio Nobel da Literatura deste ano, revisitamos novamen