‘United States of Love’ e os estados do desamor

27 MAIO, 2017 -

United States of Love apesar do nome, não se trata de um filme sobre o amor. Pelo contrário, é um filme sobre a falta dele. A falta de carinho e sentimentos que acabam por se transformar num círculo vicioso de libertação sexual que se arrasta indefinidamente.

Polónia, 1990, a queda da URSS avizinha-se e melhores tempos se aproximam, mas não para as 4 mulheres que iremos observar ao longo do filme. Presas a um mundo sem cor e introvertido, presas a si mesmas, às suas frustrações e aos seus desejos mais íntimos que atravessam seus corpos quase como se fossem corrupção, sendo apenas vontades naturais. Nesta sua terceira longa metragem, o jovem realizador Tomasz Wasilewski retrata diversos temas, como a solidão, a sexualidade, a obsessão, tudo pairando sobre uma atmosfera vazia e sem emoções.

Tudo começa durante um jantar de família, em que observamos as diferentes particularidades em redor de 4 mulheres:  Agata (Julia Kijowska), Iza (Magdalena Cielecka) Renata (Dorota Kolak) e Marzena (Marta Nieradkiewicz).  Agata é casada com Jacek (Lukasz Simla) e apesar da vida sexual do casal ser pouco animada, após ato consumado não existe contacto, o físico sobrepõem-se ao sentimento, isto porque Agata tem um grande desejo pelo padre, a qual não é correspondida mas que lhe ocupa os pensamentos. Passando de desejo para obsessão temos a directora de uma escola Iza, que tem um caso há 6 anos com o médico Karol (Andrzej Chyra) mas que após a morte da sua esposa perde por absoluto todo o interesse em Iza, que entra numa espiral de autodestruição que a levam a fingir insónias para ir ao hospital e poder falar com ele, até a usar a filha dele para ter a sua atenção, tudo para não o perder. Já Renata acaba de se retirar do seu trabalho como professora, e aliando a falta de compromissos e objectivos com a sua solidão levam a com que a sua atração pela sua vizinha Marzena (irmã de Iza) se torna numa obsessão, desde a espiá-la até fingir que caiu nas escadas tudo é uma oportunidade para mais uma conversa e um contacto. A mais calma de todas, mas também aquela cujo papel deixa muito a desejar é Marzena, que sonha em ser modelo profissional enquanto o seu marido trabalha na Alemanha.

A religião encontra-se presente e o conservadorismo religioso contrasta com todo a sexualidade do filme. Não há subtilezas nem tentativas de esconder o que está a acontecer, somos confrontados com tudo, seja o sexo do casal na sua cama à inesperada e puramente física ação numa casa de banho, de Iza com um antigo aluno.

O ambiente intenso criado por Oleg Mutu (que assegurou a fotografia de 4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias, de Cristian Mungiu, bem como de A Gente Creature, de Sergei Loznitsa, exibido em competição no recente festival Cannes) corresponde exatamente ao temperatura emotiva que o filme pretende transmitir. Uma inevitável sensação de que falta algo, uma ânsia que se prolonga através do filme que também podemos ter em atenção nas imagens isoladas e distantes que nos demonstram a solidão destas 4 mulheres.

Mas nem tudo são rosas e o filme também os seus defeitos. O facto de o filme ter 4 personagens principais leva a com que não tenham todas o mesmo foco, como Agata que aparece na primeira parte do filme e depois nem um relance dela.

O fim não só é confuso, como parece não levar a lado nenhum. Um final minimamente decente, mas que deixa a desejar uma conclusão mais efetiva para um filme que, sem dúvida, vale a pena ver.

Artigo escrito por André Pisco, publicado no nosso parceiro Insider Film

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

Eis que nos chega, através do IndieLisboa, mais uma das obras de Yorgos Lanthi

O que fazer com o novo filme de Sofia Coppola? Essa é talvez a pergunta que intrigará mui

Quatro dias depois do ataque terrorista em Manchester, Cannes recebe um abalo semelhante co

O estúdio Ghibli vai estrear o seu novo filme, ‘The Red Turtle