‘The Putin Interviews’: a humanização de Vladimir Putin

16 JUNHO, 2017 -

“Vamos improvisar”, Sr. Putin, avisa logo à partida um Oliver Stone mordaz diante do sorridente interlocutor. Aqui não há regras!, reforça. Vladimir riposta, sorrindo e esfregando as mãos com um entusiástico “Yes!”.

Sim, veremos Oliver Stone no Sala do Trono, no Kremlin, bem como no avião oficial numa longa jornada em que a visível humanização do líder russo levou a que os americanos preferissem apelidar esta série de entrevistas como um verdadeiro “namoro”. Ainda assim, Stone não deixou de aproveitar a gafe do seu interlocutor quando este admitiu não ter “dias maus”, porque “não é uma mulher”.

Há que dar a mão à palmatória, nesta primeira parte de The Putin Interviews vemos um Oliver Stone muito eficaz e incisivo, investido no seu melhor papel de jornalista de investigação. Sem paninhos quentes mesmo quando confronta o dirigente russo com temas mais quentes. Ainda que Vladimir Putin se mostre sempre igual a si próprio, bem preparado, preciso, pronto a assumir declarações, bem como a refutar outras de imediato.

O aperitivo deste primeiro episódio que já tivemos ocasião de visionar foi, como se esperava, o passar em revista da ascensão do líder, a geopolítica e a estratégica russas, no que acaba por resultar num certo equilíbrio de forças entre entrevistador e entrevistado. Se bem que aqui não se procurasse o antagonismo, já que é bem conhecida a visão crítica de Stone em relação à política americana, nomeadamente na visão de uma América imperialista, de resto devidamente plasmada na série The Untold History of the United States (2012-2013). Talvez por isso, seja igualmente esperada a reação de alguma imprensa americana que classificou esta sessão de entrevistas como o tal “namoro” entre Stone e Putin. Saliente-se a frontalidade dos temas e a forma aberta no retorno de Putin, que deixa uma imagem bem mais humana daquela que normalmente se lhe é colada.

Em todo o caso, adivinha-se o termómetro a subir à medida em que se aflorarem temas mais quentes, como Edward Snowden, as alegações de eventual interferência na política americana, Trump, ou até a oposição interna a Putin entre os diversos desafios que enfrenta a sua presidência.

Esta foi também a oportunidade de vermos Putin a sorrir e até ser apanhado na gafe misógina, aproveitada com ironia por Stone. O episódio decorreu durante uma visita à majestosa sala do Trono dos czares, quando o americano lhe perguntou se alguma vez tinha tido um momento mau. Isto já depois de o ter comparado a um verdadeiro CEO da Rússia. “Eu não sou uma mulher, pois não tenho os meus dias maus”, foi a resposta que já dá que falar em alguns outros artigos. Stone ri-se e salienta que ele estará a “insultar 50% do público americano”. Ainda que Putin se recomponha, traçando uma desculpa que acaba por remeter para as complicações menstruais ou para “a natureza das coisas”, percebemos que essa gafe dificilmente deixará de ser aproveitada.

Ainda assim, houve espaço para Putin falar da família, assumir alguma delinquência juvenil, bem como o seu ingresso no KGB, uma sequência natural de carreira, mas “desejada” também pelo próprio. Teremos até a recordação das imagens caricatas de um Yeltsin completamente embriagado, o dirigente que abriu caminho a Putin; ou até a prática de judo desde a sua adolescência a solidificar o valor do reforço da sua disciplina férrea.

Sim,  o “namoro” entre Oliver Stone e Vladimir Putin já começou. Vamos ver como se desenrolam os próximos capítulos do “romance”.

Texto escrito por Paulo Portugal, publicado no nosso parceiro Insider Film

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

As já sobejamente famosas The Putin Interviews começaram a ser exibidas na passada seg

O consultor informático Edward Snowden, que revelou em 2013 a

O ex-líder cubano Fidel Castro foi uma das figuras mais controversas do contexto

Entre os participantes estão ainda os magistrados Baltasar Garzón, que ordenou a detenção de Au