‘The Killing of a Sacred Deer’: os ‘Funny Games’ de Yorgos Lanthimos

22 MAIO, 2017 -

Gradualmente, o provocador grego Yorgos Lanthimos parece começar a ficar enredado no seu próprio jogo. Depois do ainda fresco Lobster, na sua última participação em Cannes, há dois anos atrás, Yorgos regressa para atravessar a avenida do horror, em que nos lembramos o ambiente opressivo de Shinning de Kubrick, mas também dos limites do desespero próximos até de Funny Games, de… Haneke. Ou a colocação de um casal a braços com uma dúvida semelhante à de A Escolha de Sofia, seja uma opção demasiado óbvia para se escolher. Adiante.

Apesar do antecipado ambiente intrigante e obsessivo, percebemos a chegada dessa catarse, depois seguida pela necessária (ainda que insólita) descarga. É esta a trama da suposta maldição lançada por um jovem demasiado dedicado (Barry Keoghan), quando a estranha amizade com o cirurgião cardiologista (Colin Farrel) falha por este não aceitar a responsabilidade da morte do pai do jovem na mesa de operação. Agora terá sua família de sofrer uma inexplicável maldição. Isso significa, claro, mais trabalho interpretativo para a sempre disponível Nicole Kidman, aqui com um dos quatro filmes que trouxe na mala de viagem. Até porque não faltam requintes de malvadez, como é óbvio.

Pode ter sido a proximidade de um filme com o outro a deixar alguma sugestão, mas a verdade é que essa infeção dificilmente passa despercebida. Fica assim uma espécie de mixbag que não deverá conceder-lhe a sua desejada Palma de Ouro no próximo sábado. Pelo menos, a receção na sessão de imprensa ficou dividida entre apupos e palmas. Ou talvez não, já que a sempre bem comportada imprensa americana já levantou a possibilidade de uma Palma de Ouro para o grego. Por aqui, ficamos um pouco aquém desse coro. Maybe next time, Yorgos.

Crítica escrita por Paulo Portugal, publicada no nosso parceiro Insider Film

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

O que fazer com o novo filme de Sofia Coppola? Essa é talvez a pergunta que intrigará mui

Como é, este vai ser o ano do austríaco Michael Haneke, do grego Yorgos Lanthimos, do am

Quatro dias depois do ataque terrorista em Manchester, Cannes recebe um abalo semelhante co

Risco de atentado eleva nível de segurança. Em terras de Marine Le Pen, o novo Presidente Eman