‘The Beguiled’, de Sofia Coppola: Um filme bonito de se ver mas sem sumo

24 MAIO, 2017 -

O que fazer com o novo filme de Sofia Coppola? Essa é talvez a pergunta que intrigará muitos do que assistiram à sessão de imprensa do inconsequente The Beguiled, remake que a filha de Francis Ford Coppola fez do filme de Don Siegel, Ritual de Guerra, em 1971. Se essa justificação não bastasse para erguer o sobrolho ao ver a sexta longa metragem entrar na Seleção Oficial para a Palma de Ouro, o argumento de ser um “filme feminista” aumenta ainda a deceção por ter falta de sentido.

Rezam as crónicas que o festival até terá convidado Don Siegel para integrar a Seleção Oficial com o seu filme nesse ano, ainda que com a recusa dos produtores nessa adaptação do romance de Thomas Cullian. Tivesse The Beguiled integrado uma das sessões fora de competição, para trazer mais algum glitz glam à Croisette, e ninguém questionaria a opção. Ou até na sessão de abertura. Assim sendo, temos uma nova presença de Nicole Kidman e Collin Farrel na competição, já que estiveram ambos no igualmente decepcionante Killing of a Sacred Deer, mas infelizmente para um segundo tiro ao lado. Mas também o segundo desagravo em Cannes, depois do espalhanço que foi Bling Ring: O Gangue de Hollywood, em 2013.

A narrativa segue, de resto, a mesma linha do romance original, com um soldado yank (Farrel) a ser recebido num internato feminino confederado, acabando por incendiar o coração das várias donzelas. Só que num registo totalmente previsível e só aparentemente púdico deste lugar onde reina a ordem e as preces, a par das aulas de francês, música e lavores. Só sabemos que existe uma guerra fraticida pelo ritmado ribombar dos canhões ao longe e por uma ocasional visita de militares.

Depressa o nosso tenente se instala e começa a atirar setas de cupido em todas a direções, despoletando quase de imediato a esperada tensão sexual por parte de Nicole Kidman, a diretora e mão forte do internato, mas também da mais contida Kirsten Dunst, ou da mais ousada Elle Fanning. Das mais novas, a curiosidade e o afeto pueril. Só que confundir esta mútua atração com alguma atitude feminista seria não só desadequado como profundamente erróneo. Até porque o final em que a sorte do tenente após um avanço mais audacioso lhe vale uma fatalidade inesperada.

Sejamos claros, The Beguiled não tem nem o peso das manas Lisbon em As Virgens Suicidas, na estreia da realizadora Coppola, em 1996, a credibilidade de O Amor é Um Lugar Estranho, apesar de todos preferimos o original Lost in Translation, ou até a ousadia excessiva de Marie Antoinette. Por aí se percebe alguma atitude e intenção feminina. Assim sendo, ficamo-nos por uma oportunidade gorada. Não só por Sofia, mas igualmente por não conseguir transmitir ao cast alguma chama de desejo ou atitude de manipulação. Desde logo porque percebemos que a atitude de deslumbramento e desejo por parte deste septeto de damas acaba por ser mais adequado a um romance de cordel, do que propriamente um original que já tinha originado um filme de qualidade indiscutível. Ficamos assim com um filmezinho bonito de se ver, com o peso de uma produção dos estúdios Universal. Mas sem sumo.

Crítica de Paulo Portugal, publicada no nosso parceiro Insider Film

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

Gradualmente, o provocador grego Yorgos Lanthimos parece começar a ficar enredado no seu própri

Depois de uma abertura morna com Os Fantasmas de Ismael, de Arnaud Desplechin, for

Haneke serve-se do Live do Facebook para conferir um lado algo creepy a um estudo

Na coletiva de imprensa após o início de Cannes com Les Fantômes d’Ismaël dois lados