‘Terror De Te Amar’, de Sophia De Mello Breyner (poesia)

18 ABRIL, 2017 -

Vêm as pessoas ter connosco, sem que as tenhamos que procurar. Imaginar que que nos aproximamos uns e outros como sombras, ou reflexos. Vivemos fundados na citação do que se sente, do que é o mundo, do que somos nós mesmos. Nesse viver que não devia ter certezas, somos cada vez mais independentes.

Neste vídeo, em que o Bernardo Souto participa, dando continuidade a algo que tinha iniciado no primeiro vídeo, e a Nídia Roque se junta (presença alheia ao outro vídeo em que a vimos), tento falar disso, usando as palavras de Sophia.
Talvez possamos viver sonhando com mundos que preferiríamos criar, albergues para os amores e carinhos em que vamos mergulhando – imersos num mundo inventado.

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

É com um poema de António Aleixo, poeta semi-analfabeto da primeira metade do s

Podemos, de vez em quando, conviver com uma realidade que não é a de todos os dias. Começamos a

Sempre me fascinou neste poema a forma como se pode inventar um conjunto de palavras que tanta just

Sobre Sophia há tanto a dizer que tudo o que se escreva aqui será pouco, e repet