Tecnologia vai permitir a artistas conhecer utilização das suas músicas

14 AGOSTO, 2016 -

A cooperativa GDA — Gestão dos Direitos dos Artistas anunciou que vai desenvolver, a partir de outubro, uma tecnologia pioneira que permitirá aos artistas saber a utilização que está a ser dada à sua obra musical.

Cada artista ficará a conhecer qual é a utilização da música que criou, interpretou ou na qual participou como executante, o que pode ser muito importante para a gestão da sua carreira saber o que passa mais, e o que passa menos, no espaço público“, afirma em comunicado enviado à Lusa Pedro Wallenstein, presidente da GDA.

Ao mesmo tempo, [cada artista] passa a ter um indicador objetivo para os montantes que, na altura própria, irá receber pela utilização pública dessas músicas“, acrescenta.

Portugal será o primeiro país com um sistema orientado para cada artista: “mesmo que [um artista] só tenha participado numa única música, passará a ter acesso ‘online’ ao número de vezes que essa música passou nas estações de rádio e de televisão monitorizadas, que são as principais, praticamente em tempo real. O ‘delay’ pode atingir uma hora, no máximo“, sublinhou à Lusa fonte da cooperativa.

Atualmente “os artistas só tinham acesso a estes números por interpostas pessoas – os agentes e o que as editoras lhes diziam -, o que não é bem a mesma coisa, pode haver sempre uma filtragem“, frisou à Lusa Luís Sampaio, administrador da GDA.

A GDA empenhou-se com o seu parceiro tecnológico, a BMAT, em criar um instrumento que permite aos artistas ter facilmente uma ideia da utilização que está a ser dada à sua obra e de quanto isso poderá vir a valer“, explicou, por seu turno, Wallenstein, que realçou o pioneirismo mundial deste projeto.

A partir do dia 01 de outubro, Dia Mundial da Música, a GDA, através do seu portal na Internet, vai disponibilizar aos seus membros o acesso direto ao registo da utilização das suas músicas nas rádios e televisões.

Há duas grandes preocupações neste trabalho que a GDA está a desenvolver: a primeira, é estabelecer uma transparência de processos que todos os interessados podem verificar; e a segunda, é tornar facilmente verificável aos artistas a forma como esses mesmos processos determinam o modo como o dinheiro irá ser distribuído entre eles“, explica Wallenstein.

Segundo fonte da GDA, aderiram já a este projeto cinco canais televisivos e 17 rádios de expansão nacional ou regional.

Pedro Wallenstein realça que vivemos uma “época em que se instalou a sensação de gratuitidade no acesso aos bens culturais, desvalorizando o trabalho artístico” e, nesse sentido, esta parceria com a BMAT, visa adaptar o ‘software’ Vericast à utilização pretendida.

A cobrança de direitos de música em Portugal passará a ter “transparência” e “orientará os artistas num ‘show case’ mundial”, afirma o responsável, que adiantou que depois do lançamento em Lisboa, em outubro, se irá iniciar a sua divulgação nos mercados internacionais.

Luís Sampaio, por seu turno, salientou à Lusa que “o acesso de cada artista à utilização da sua obra, e ao potencial de valor que essa utilização representa, demonstra a importância que a GDA dá às regras de transparência pedidas pelas autoridades europeias”.

Pena é que os principais utilizadores da música feita em Portugal — os grupos de comunicação social –, que são obrigados por lei a facultar as listagens do reportório utilizado, a duração das utilizações, e as audiências e o ‘share’ que cada uma teve, façam disso letra morta“, sublinhou Luís Sampaio.

A GDA, a entidade que em Portugal gere os direitos de propriedade intelectual de músicos, atores e bailarinos, conta cerca de 5.000 cooperadores, segundo números da cooperativa, que são “artistas que se inscrevem, compram cinco títulos cooperativos — por 25 euros — “e dão à entidade um mandato universal para cobrar os seus direitos em todo o mundo”, explicou à Lusa fonte da cooperativa.

A GDA inclui ainda 1.300 administrados, que são artistas que não compram títulos, sem direito de voto ou a ser eleitos para os seus órgãos, mas que “dão à GDA um mandato limitado para cobrar os respetivos direitos numa dada parte do mundo, só em Portugal, por exemplo“.

Os herdeiros dos artistas podem habilitar-se a receber os respetivos direitos e podem também inscrever-se na GDA, explicou este responsável.

A GDA faz ainda cobranças de direitos para mais de 600 mil artistas de sociedades congéneres de outros países, sobretudo europeus, em regime de reciprocidade, disse à Lusa fonte cooperativa.

Àlex Loscos, diretor executivo da BMAT, em comunicado enviado à Lusa, realça o facto de a GDA ser “verdadeiramente pioneira“, e ir “ser líder mundial na disponibilização direta desta funcionalidade à comunidade artística no mundo das sociedades de gestão de direitos musicais“.

Segundo fonte da GDA, tanto nos Estados Unidos como na Europa, e noutros continentes, os artistas “só têm informação diferida quanto à ‘performance’ das suas músicas no espaço público através das editoras, de agentes ou de associações que os representem“.

Texto de Lusa

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

Ao falarmos de arte, refletimos inevitavelmente no que a inspira. Se Jeann

Depois do assassinato da cantora Christina Grimmie e do atentado em Orlando