“Tardio” é o seu segundo livro de poemas, ora elipticamente narrados, ora presos em descrições cifradas. Move-se longe daquele confessionalismo escancarado que não deixa pedra por virar nem ponta por unir. Surgem amiúde pelo impulso dos estimuladores de talentos e dos ac