Morreu a 2 de julho de 2004, há 13 anos, Sophia de Mello Breyner Andresen, alguém que fez da poesia uma forma de vida ou «a forma da vida» e da essencialidade uma busca sem limites, fundindo ética e estética, harmoniosamente conjugadas com os valores do humanismo cristão. 

Sobre Sophia há tanto a dizer que tudo o que se escreva aqui será pouco, e repetido - como a imagem que ela nos oferece com as ondas do mar. Prefiro falar sobre o porquê de escolher este poema, o porquê de gravar neste cenário: Sophia é, para mim, uma das autoras (e escreve

Sophia de Mello Breyner Andresen nasceu a 6 de Novembro de 1919 na cidade do Porto. De raízes dinamarquesas, tendo o seu avô, Jan Andresen, visitado a cidade do Porto e não mais ter abandonado a cidade, o pai de Sophia, João Henrique, havera comprado, em 1895, a Quinta do Campo Alegre, que é ho