O ano é 2015. Numa reunião do Eurogrupo, Wolfgang Schauble, ministro das finanças Alemão, profere uma frase que virá a ficar célebre: “Eleições não podem interferir com as políticas económicas que estão a ser aplicadas na Grécia!” Momentos como este sustentavam a narrativa daquel