Ponto prévio: Dificilmente haverá filme mais divisivo, surreal e rico em simbolismos a passar nas salas de cinema portuguesas este ano (sobretudo se Darren Aronofsky não lançar mais nenhum). As características já elencadas farão também com que haja um vasto leque de interpre