Sentado no Supremo Tribunal Americano, o personagem Me, um afro-americano criado no gueto de Dickens, cidade fundada com o intuito de ser “livre de chineses, espanhóis de todos os tons, dialetos e chapéus, franceses, ruivos, citadinos e judeus sem qualificações”, acende um c