Valter Hugo Mãe, no prefácio a Nossos Ossos, introduziu Marcelino Freire como o “(...) mestre. (...) um escritor de maravilha, na esteira dos maiores do seu país, na esteira dos maiores da língua portuguesa” e terminou, afirmando: “Não dá medo ler Marcel