Uma vez delineei um plano para sucesso garantido. Ia escrever o máximo que conseguisse, com vários graus de qualidade e, no final, matava-me. A lógica é que, artistas, depois de mortos têm mais hipóteses de serem descobertos e (in)compreendidos. Não durou muito tempo. Por muito que tenha

Friedrich Nietzsche marcou indelevelmente a linha de pensamento da filosofia alemã e europeia. Na curva descendente do século XIX, deu à luz conceitos vários, como o niilismo, a vontade do poder, a dualidade apolínea e dionisíaca, o "Übermensch" (além-Homem) e até decretou