Disperso, indisponível, esquecido, encaixotado no depósito da Biblioteca Nacional, Mário-Henrique Leiria está agora a renascer. Por partes, à boa maneira surrealista, e por iniciativa da E-Primatur, que acaba de publicar “Ficção”, o primeiro volume das “Obras Completas” do gé