«Valgato fica no fundo de um córrego, cercada de carrascais e sobreiros descarnados. O mais é terra amarela, nua até se perder de vista. Não há searas em volta. Há a charneca sem fim (…) E, no meio do descampado, no fundo do vale tolhido de solidão, fica a aldeia de Valgato