«A literatura não pode ser um catering, com indulgências ao gosto dos leitores», escreveu Luísa Costa Gomes em Ilusão (ou o que quiserem), e percebe-se como o seu percurso tem sido dos mais coerentes e significativos, permanecendo à margem das fantasias imbecis dos que che