Estar no poder é razão para reivindicar mais do que aquilo que alguma vez se imaginaria. Os limites perdem-se num imaginário arrivista. Eram tempos, e são tempos nos quais as ambições se perdem e se confundem ao ritmo da estruturação da identidade. Quem quer, terá de fazer muito, para depoi