Quando algum conhecido me apanha ao acaso com um livro na mão, à espera no cais do metro ou numa esplanada qualquer, cresce em mim uma aflição considerável. Não consigo evitar sentir-me encurralado naquele momento em que, com um sorriso desinteressado, perguntam: então, o que é que andas