Na contracapa: “Estou aqui de passagem, é para seguir em frente, sou de ferro e ninguém me dobra. Em silêncio, sou sempre eu e o que em mim se compõe e apruma”. Abrimos o romance e debatemo-nos com três epígrafes: uma da autoria de Mary Shelley, outra de Javier Cercas e, p