Franz Kafka foi um daqueles que viu mais longe. Não foi dos poucos mas foi um distinto. Tão distinto que até o seu nome virou adjetivo. Tudo aquilo que se liga ao absurdo, ao estapafúrdio, ao insólito, diz respeito ao que Kafka deslindou na sua literatura. Neste caso, parece que não foi o auto

Cícero escreveu que «Uma casa sem livros é como um corpo sem alma». Não necessitamos de recorrer à Lógica para testar a veracidade desta premissa. A alma de uma casa reside nos livros que esta alberga e nas inúmeras histórias e mundos que estes em si guardam. Hoje,