O novo filme de Marco Martins, “São Jorge”, é uma ficção que se encontra com a realidade. Divaga pela fronteira dos elementos ficcionados e documentais, assumindo um registo próximo a “Belarmino” (1964) de Fernando Lopes. Ambos retratam um país socialmente em crise: o primeiro, o da é