Vêm as pessoas ter connosco, sem que as tenhamos que procurar. Imaginar que que nos aproximamos uns e outros como sombras, ou reflexos. Vivemos fundados na citação do que se sente, do que é o mundo, do que somos nós mesmos. Nesse viver que não devia ter certezas

Sempre me fascinou neste poema a forma como se pode inventar um conjunto de palavras que tanta justiça fazem a uma sensação, e o tropeçar com que Alexandre O'Neill termina o poema é uma imagem que me acompanha. Todo o texto, na verdade, ecoa amiúde nos meus daydreams. Li algures qu

Podemos, de vez em quando, conviver com uma realidade que não é a de todos os dias. Começamos a contrariar o que achamos do mundo, pensamos que talvez o mundo não seja feito das certezas que dele temos, mas da dedução do que, por sinais, nos dá a conhecer. Há uns dias reuni alguns dos actore

Sobre Sophia há tanto a dizer que tudo o que se escreva aqui será pouco, e repetido - como a imagem que ela nos oferece com as ondas do mar. Prefiro falar sobre o porquê de escolher este poema, o porquê de gravar neste cenário: Sophia é, para mim, uma das autoras (e escreve

É com um poema de António Aleixo, poeta semi-analfabeto da primeira metade do século XX, que o Dizedor volta a lançar vídeos com regularidade semanal. Todas as terças-feiras, será lançado um vídeo-poema no canal do Youtube, e partilhado aqu