Num período do cinema em que a denúncia da (des)igualdade racial, quer actual, quer histórica, está, finalmente, na ordem do dia, cumpre reflectir de que forma esse cinema que se pode apelidar de intervenção social se deixa contextualizar enquanto obra cinematográfica (objecto de arte) e enqu