Os primeiros minutos de “Nobody Knows” de Hirokazu Koreeda estão repletos de ternura, conforto e até um certo tom que não chega a ser cómico, mas que é bastante leve, apesar de ser retratado de forma indirecta. Existe uma clara boa disposição entre a mã

Porque é que o Ocidente demorou tanto tempo a reconhecer a importância e sofisticação do cinema japonês?, perguntou Jonathan Rosenbaum certa altura; o autor apontou como motivo a própria insularidade cultural e geográfica do país, que se acentuou especialmente durante os finais dos anos trin

Hayao Miyazaki tornou-se um cineasta imprescindível naquilo que mostramos aos nossos miúdos em tempos nos quais as máquinas e as tecnologias dominam todas as atenções. Um cinema que, não obstante as mensagens realistas, abrange uma fantasia que leva a sonhar com o melhor da re