O presente conserva ainda as marcas do processo colonizador – não apenas nas nações africanas, mas também no imaginário dos países europeus que outrora as governaram; sobretudo entre as famílias que abandonaram as colónias após a sua independência é partilhada uma memória colectiva, à