Parece-me que, em geral, vivemos numa ânsia de amor, precisando cada vez mais – enquanto seres individualistas – de sentir que alguém nos ama. Desejando a percepção da necessidade do outro relativamente a nós. Note-se que referi individualistas e não individuais, na medida em que individua