Álvaro Siza, o arquitecto, mostra-se nesta obra enquanto desenhador compulsivo, como nunca o vimos. Num caderno em fole, com cerca de 6 metros de comprimento, Álvaro Siza desenhou, em poucos dias, uma narrativa com laivos bíblicos, mitológicos, eivada de indizível crueldade, te