Para o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, o OE 2018 dá “previsibilidade e confiança”, mas reconhece que Portugal continua a ter uma situação económica que “exige cautela e prudência”. O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais garantiu, esta quarta-feira,