Em “A Fábrica de Nada”, os caminhos da ficção hão de percorrer sempre a realidade. A da crise, a dos operários numa luta que não é ideologia, é sobrevivência. Diz-nos esta longa de Pedro Pinho e concorda Hermínio Amaro. Operário a vida inteira, operário para um filme a pedir

No seguimento da sua estreia mundial na Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes, A Fábrica de Nada, de Pedro Pinho, foi galardoada pela Federação Internacional de Críticos de Cinema com o conceituado Prémio FIPRESCI. O Júri FIPRESCI de Cannes atribui três prémios: dois na Selecç

Estreia-se hoje na Quinzena dos Realizadores, em Cannes, o último filme de Pedro Pinho. Entre a ficção, o musical e o documentário, um quase-ensaio sobre  que lugar deve ocupar  o trabalho. A partir da história de uma fábrica que pode até ser ficção  mas tem tudo de realidade.