SZA perdeu o ‘Ctrl’ e conquistou

24 JUNHO, 2017 -

Depois de inúmeros avanços e recuos, o álbum de estreia de SZA foi finalmente dado a conhecer ao público em geral. Por mais que uma vez, a rapper já havia manifestado o seu profundo desagrado face aos recorrentes atrasos concernentes ao projeto. As redes sociais chegaram a servir de palco ao pequeno beef entre a artista e o co-presidente da T.D.E. – a mesma label que representa Kendrick Lamar, Schoolboy Q e outros astros do hip-hop americano – com a mesma a declarar, em Outubro passado, “I actually quit” e responsabilizando indiretamente o superior pela longa demora.

Porém, e mais de meio ano volvido, o contencioso parece ter sido ultrapassado e os ânimos serenados. Face ao que seria de esperar – despoletado pelo seu anúncio, tido como um ato repentista e irrefletido – SZA não abandonou a música. Tomou-a de assalto, um pouco à imagem do que vem fazendo desde o lançamento do primeiro EP.

Culpa ou não deste complexo processo de criação, o seu 1ª longa-duração foi divulgado ainda na primeira quinzena de Junho. E regozijemos, pois a frequente colaboradora de Rihanna e Isaiah Rashad é autora de um dos mais frescos projetos de R&B dos últimos tempos, num registo que é tão maduro como ousado, ao atrever-se a extravasar as barreiras de género sem que a experimentação musical caia em moléstia.

A mãe da artista é a primeira interveniente no mais recente sucesso da filha: ainda Supermodel não deu a ouvir os primeiros acordes e escutamos a progenitora de SZA abordar a questão do controlo, ou falta dele, como principal fonte de medo. Referência ao título da obra? Talvez: a sigla Ctrl dá pouca margem a erros. E por oposição, o título do álbum não podia estar em maior desacordo face ao seu conteúdo: liberdade e libertinagem femininas. Na verdade, estamos perante o relato pessoal das mais variadas aventuras emotivo-sexuais creditadas a Solána Rowe, nome real da cantora.

Há espaço para considerações de índole pessoal – até algumas revelações exclusivas – sempre visando a odisseia sexual no feminino, num registo pouco ortodoxo e deliciosamente inesperado.

Ainda em Supermodel – primeira faixa do projeto – chocamos com os seguintes versos: “Let me tell you a secret / I been secretly banging your homeboy / Why you in Vegas all up on Valentine’s Day?”. Há algo profundamente exposto de forma sub-reptícia. Como a própria confidenciou no passado, em entrevista, um seu ex-namorado deixou-a no dia de S. Valentim para rumar a Vegas. O que fez SZA? Deitou-se com o seu melhor amigo, em jeito de vingança envolta em revolta. Nada de extraordinário, não tivesse a autora garantido ser esta a primeira vez que o próprio ouviria sobre o assunto.

As colaborações efetivas também têm lugar cativo neste álbum. São cirúrgicas e apenas três, com Travis Scott a abrir as hostilidades. Love Galore e respetivo vídeo já eram conhecidos do grande público, embora nos mereçam igual escrutínio. Nela, trocam-se ideias sobre… comodismo sentimental. Ambos cantam “Why you bother me when you know that you don’t want me?”. O verso e o tema no geral ganham importância redobrada, não estivéssemos nós na época da interactividade digital, do combate à solidão através de dedos contra os ecrãs, ao invés de olhos contra olhos.

Kendrick Lamar intervém noutro dos momentos altos (este álbum tem momentos baixos?):

“(…)Pussy can be so facetious, the heavyweight champ / Pussy is so undefeated, let’s amen to that / I mean, the pump fakes on the Facebooks / And the screw face when the bae look(…)”

Doves in the Wind é o pretexto ideal para nos lembrarmos que este jogo de ritmos, lírica e som – pelo menos no que ao hip-hop concerne – tem um rei que reina como poucos o fizeram antes dele. Não ofusca ou obstrói a autora, antes se complementam numa simbiose perfeitamente calibrada, quase fazendo questionar se na vida a dois se entenderiam tão bem como na senda musical.

A faixa anteriormente referida representa a skill, o show-off e é um hino a todos os niggas que se deixam comandar pelo desejo sexual, assim como aos verdadeiros homens que merecem bem mais que puss*, como nos vai dizendo SZA.

The Weekend é diferente: há fragilidade e sentimento, amor e ódio, resignação e inquietude. A partilha de um homem com outra mulher obriga a que se engulam e processem mixed feelings. E como sempre a voz que nos acorda do transe provocado pela produção (qualquer adjetivação pecará por escassa) é suave, escorrega pelos canais auditivos e provoca um bem-estar inexplicável.

Sobretudo sente-se uma reflexão dos tempos, com base na progressão e emancipação do género feminino. Uma análise às relações sexuais vigentes, ao pára-arranca sentimental de que vamos sendo vítimas e perpetradores. Estamos perante o relato do preço pago por elas, que se atrevem a desafiar estigmas e concepções estereotipadas. Este é um disco de – e para – mulheres que ousam.

É interessante que a artista tenha preenchido um vazio pouco perceptípel, algures entre o pedantismo lamuriante de Kehlani e a emancipação forçada, histérico-plástica e nauseante de Nicki Minaj. Há uma voz, um modo próprio com que se dirije ao ouvinte. Um estilo de storytelling muito próprio da TDE – Schoolboy Q, Jay Rock e K. Dot são disso os principais bastiões – ainda que pouco visível em intérpretes femininas. SZA quer contar uma história que é sua, sendo de todos – e que não sendo nova – é relato de vital importância.

Fazendo isso por via da música, a conquista é excelsa. Há um arrojo excitante nas letras, até na delicadeza com que os tópicos são abordados, maioritariamente correspondido por produções que fazem lembrar obras-primas como Blonde, editado há sensivelmente um ano atrás.

Mesmo as sonoridades mais trap-oriented são prontamente alternadas, ora por guitarras melódicas e outros artifícios próprios de indie rock, ora pelo boom bap mais selecto até ao soul mais relaxante. Essa mistura exótica consubstancia-se numa peça musical de incontornável valor, definidora do modo disruptivo com que SZA faz música desde sempre, ainda que esse resultado só agora ouse atingir os ouvidos das massas. A qualidade de Ctrl torna óbvio que só uma desatenção gritante poderá explicar a ausência deste belíssimo álbum das listas de melhores do ano. Afinal, quantos artistas se podem gabar de ter acertado no alvo ao primeiro tiro?

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS