Sozinho em palco, Luís Severo encheu de poesia o Teatro Ibérico

30 MARÇO, 2017 -

É sempre bom ver artistas de que gostamos a ter reconhecimento. É também especialmente comovente quando tais artistas são portugueses, o que inevitavelmente, por muito que tentemos disfarçar, desperta um certo orgulho nacional pelo que de bom aqui é feito. Ora, ver Luís Severo encher por dois dias o Teatro Ibérico é mais do que motivo de brio, seja por o vermos a ter o tão merecido sucesso — este que se apresenta como um dos mais inventivos e articulados jovens cantautores portugueses —, seja por estarmos a assistir à reinvenção de um público, que está novamente a dar oportunidade à boa musica que em Portugal é feita.

Assim, foi no dia 29 de Março que presenciámos — e da forma mais crua possível — a apresentação do seu segundo álbum.

Pouco depois das 21h30, Lucía Vives fez as honras, com um pequeno concerto de abertura em que tocou temas do seu EP Príncipe Real — produzido por Severo, e no qual o próprio tem alguma contribuição instrumental —, à semelhança do que fizera na Casa Independente semanas antes, utilizando apenas uma guitarra e a sua voz.

Foi perto das 22h10 que Severo surgiu em palco. A cortina abriu-se e desvendou o cantor por trás de um grandioso piano de cauda, tocando já a primeira canção da noite, “Meu Amor”, do segundo LP. O nervosismo, que se conseguia sentir nas primeiras músicas, foi-se progressivamente desvanecendo — pelo menos aos olhos e ouvidos da audiência — à medida que ia ficando mais confortável com este formato “despido” em que se apresentava. Todo o peso da atuação revolveu à volta da sua voz e do seu instrumento de escolha, primeiramente o piano e, numa segunda parte, a guitarra acústica. Apresentou-nos temas novos e do antecessor Cara D’anjo, e ainda tivemos direito à “Cabanas do Bonfim”, canção do duo Flamingos, do qual faz parte com Coelho Radioativo.

A voz quente e as palavras doces de Severo fizeram-se ouvir em “Cabeça de Vento” e “Lamento”, enquanto que “Vida de Escorpião” trouxe quase que reminiscências espirituais ou medievais, lírica e sonicamente. “Planície (Tudo Igual)”, logo no início do set, e “Escola” aceleraram o passo da atuação. De notar o modo como estas duas músicas, instrumentalmente carregadas em álbum, foram bem reproduzidas neste formato stripped down escolhido pelo cantor. À medida que a atuação decorria, as luzes, sempre focadas no piano, iam mudando de cor, o que acompanhou bem os diferentes compassos das músicas. Talvez o único problema terá sido o facto de, nos temas mais calmos, ser audível o libertar do pedal do piano, problema que seria difícil de contornar face ao tamanho da sala e a uma audiência silenciosa compenetrada nas canções que lhe eram apresentadas. Problema menor portanto, que em pouco feriu a magnífica performance de Severo.

A cortina começou a fechar-se no fim da “Olhos de Lince”, e pouco depois volta a abrir-se revelando o cantor, sem dúvida mais confortável neste formato, em pé e de guitarra ao peito. Iniciou com o segundo single do novo álbum, a alegre e contagiante “Boa Companhia”, passando pouco depois para uma das mais belas composições do mesmo, o tema de abertura “Amor e Verdade”, que enaltece Severo enquanto poeta lírico.

Acaba animado com o single “Ainda é Cedo”, do primeiro álbum, antes de um quase encore — dado que não foi precisa toda a teatralidade de sair do palco e voltar ao som bajulatório dos aplausos e gritos —, com a “Lábios de Vinho”, que terminou o concerto.

E foi assim, por entre odes ao amor e a Lisboa, que Luís Severo se apresentou a um público repleto de fãs e amigos — eram muitas as caras da Maternidade e Cafetra, e claro o pessoal da Cuca Monga, com Tomás Wallenstein a dar a assistência em palco —, concretizando aquele que disse ser o set mais longo da sua vida, com 16 canções, nunca deixando de ser imersivo, com uma vulnerabilidade que em tudo incitou a um mergulho mais profundo nas suas palavras.

Fotografias de Francisco Aguiar

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

Quase não dá para acreditar, mas vai mesmo acontecer! Axl Rose regressa ao be

O primeiro concerto da banda de Thom Yorke aconteceu ontem em Amesterdão, na Hola

Os Orelha Negra apresentam-se ao vivo em Braga e no Porto

Na noite mais quente do ano, viajámos para longe; o som clássico e progressivo dos Bing