Sísifo e o problema do suicídio vs não-existência

27 JULHO, 2017 -

Uma vez delineei um plano para sucesso garantido. Ia escrever o máximo que conseguisse, com vários graus de qualidade e, no final, matava-me. A lógica é que, artistas, depois de mortos têm mais hipóteses de serem descobertos e (in)compreendidos.

Não durou muito tempo. Por muito que tenha sofrido, suicídio é apenas uma ideia, uma possibilidade. Dificilmente se tornará realidade. Nietzsche disse melhor.

“A ideia do suicídio é um forte meio de conforto: com ela superamos muitas noites más.”

Felizmente até agora tem sido apenas isso. Encaro o suicídio como uma ideia romântica. Um escape total a qualquer tipo de sofrimento que possamos estar a passar. Há conforto nisso, como Nietzsche diz. Não queres sofrer mais? Tens sempre essa solução. Não queres aguentar outro dia? Não queres ir às finanças? Ao registo civil? À festa dum parente que odeias? Fantasia como te vais matar. Até o Louis CK tem um bit sobre isso.

“Nunca temos de fazer nada…porque podemos matar-nos” e (…) suicídio resolve todos os nossos problemas.”

A palavra-chave aqui é fantasia. Eu prefiro pensar na morte e suicídio não como um método para atingir um fim, mas mais como um estado de total remoção deste reino. Não é bem a ideia de nos matarmos, mas simplesmente a noção de não existirmos neste mundo. O suicídio em si é sujo, imprevisível, requer um grau de coragem que eu sei que não possuo e a probabilidade de sermos bem sucedidos é de 20 em 1. Ou seja, é mais fácil sobrevivermos a uma tentativa de suicídio e, dependendo do método escolhido, viver o resto das nossas (miseráveis?) vidas com implicações de saúde sérias – mentais ou físicas – originadas pela tentativa. Não sei se o meu orgulho alguma vez recuperaria de “nem isto consegui fazer bem” ou se reteria a capacidade intelectual para perceber o que tinha acabado de fazer. O enforcamento, por exemplo, tem uma taxa de sucesso de 70%, mas os 30% que sobrevivem têm de viver com possíveis lesões a nível de danos na coluna, dano cerebral por falta de oxigénio no cérebro, fracturas na laringe, fracturas na traqueia, etc. É uma estatística demasiado alta para sequer considerar essa possibilidade.

Não. Para mim o suicídio contrasta com a ideia da não-existência. Eu preferia não existir, mas nunca seria capaz de me matar. Digo, a brincar,  que preferia não ter nascido e culpo a minha mãe por me ter tido. Afinal de contas, se nunca tivesse nascido, nunca sentiria o que já senti, ou teria passado pelo que passei. O meu problema existencial não é encontrar significado na minha vida, mas sim aguentar uma vida vivida com altos e baixos, onde os altos são do tamanho do Evereste e os baixos levam-me aos poços mais profundos do inferno.

A culpa é toda minha. Já admiti isso anteriormente. Sou uma pessoa que vive intensamente as emoções. Também tenho uma capacidade sobrenatural de overthinking ou sobre-analisar todas as questões, palavras, letras, vírgulas e pontos finais. Com isso escrevo a receita perfeita para o desastre. Como em tudo, tento encontrar um equilíbrio. Contemplar uma não-existência não quer dizer que sejamos um risco suicida. É apenas a nossa imaginação a criar um mundo onde não existimos e a ponderar como ele seria.

Como se costuma dizer, o suicídio é uma solução permanente para um problema temporário.

Não devemos ter medo de falar sobre isso. Não tenho medo que me julguem. Sei que sou uma pessoa equilibrada e forte, que tem aguentado 29 anos de uma vida não tão fácil. Há pouco que me possam atirar que eu não aguente, mas mesmo assim entretenho a ideia de não existir. No meu braço tenho tatuado “EASY/LUCKY/FREE”, uma música de Bright Eyes. A interpretação é que não há nada tão FÁCIL, SORTUDO ou GRÁTIS como o suícido/morte. É o último dos últimos recursos e a derradeira solução para todos os nossos problemas. Não a correcta, mas a derradeira.

Também acredito que é fonte de inspiração para muitos artistas e escritores (eu incluído). Encarar as nossas fraquezas e problemas existenciais dá-nos o combustível necessário para criarmos beleza, concreta ou abstracta, digital ou analógica. É ao olharmos para o mundo – para o nosso mundo interior – que lemos o que há para ser escrito e vemos o que há para ser pintado. Podemos criar valor através da ideia e equilibrar a vontade de não existirmos com as possibilidades do futuro. Até um excerto duma banda desenhada do super-homem abordou o suicídio uma vez. Nele, o super homem tenta dissuadir uma mulher de saltar de um edifício e as palavras que sempre ficaram comigo foram:

“A friend of mine, many years ago, took her life. She was terminally ill. Everyday was an agony, and she decided one day that she knew – without question – that she would never have another happy day. And she…well, I guess you could say she checked out early. I understood, I didn’t approve, still don’t, but I understood. If you honestly believe, in your heart of hearts, that you will never ever haver another happy day…then step out into the thin air. I’ll keep my promise. I won’t stop you. But if you think there’s a chance – no matter how small – that there might be just one more happy day out there…then take my hand.”

Acho que é justo dizer que todos aqueles que batalham com a ideia, podem, devem e querem acreditar de que há uma possibilidade das coisas melhorarem. Pessoalmente, eu sei que vou ter mais dias felizes. A prova disso é que já os tive no passado. Os azares ou ondas menos boas do presente não significam nada se compararmos com aquilo que o futuro nos reserva. Só temos é uma maneira de o vermos por nós próprios: temos de aguentar a dor de hoje e continuar por cá. É nisso que me foco. É quase engraçado como uma banda desenhada me salvou a vida – e continua a salvar.

Em o “Mito de Sísifo”, Camus abre o ensaio com uma linha famosa:

“Existe apenas um único problema filosófico realmente sério: o suicídio”

Sísifo e a sua luta é um tema bastante querido para mim. Foi através dele que descobri Kafka quando me foi pedido na universidade, numa aula de filosofia, para relacionar os dois.

Para quem não sabe, segundo a mitologia grega, Sísifo foi um mortal condenado para toda a eternidade a carregar uma enorme pedra de mármore, com as suas próprias mãos, até ao cume da montanha. Antes de conseguir completar a sua tarefa e perto do final, a pedra rolava para baixo até ao ponto de partida com uma força inexorável. Sísifo ainda hoje repete o esforço outra e outra vez.

Há uma moral nesta história aplicada à nossa actualidade. Somos uma sociedade cada vez mais corporizada, cada vez mais automizada, onde o valor humano é esquecido – quase nulo – e o esforço pedido é apenas um processo mecânico, longo e repetitivo. Sísifo e a sua luta representam isso. Inúmeros filósofos falaram melhor do que eu sobre o tema, pelo que não me vou alongar muito, mas não quer dizer que não possa tirar as minhas conclusões morais e éticas.

É preciso coragem para encarar este mundo, dia após dia. Louvo e respeito todos os que não desistem e o conseguem.

“O mundo está repleto de pessoas que não se mataram hoje.”

Para todos os que ainda aqui estão e todos os dias é uma luta para verem o mundo a cores: vocês são fantásticos, mais fortes e capazes do que julgam.

Repito para todos aqueles que querem ouvir:

Não estão sozinhos.

Podes ler aqui mais textos de M.J. Cruz

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

Há alguns anos, quando me encontrava num momento mais existencialista da minha vida - quem não os