Roger Waters: Confortavelmente desinquieto

7 JUNHO, 2017 -

No primeiro álbum de canções em 25 anos, Roger Waters não se esquiva às questões prementes e intromete-se no tema política. Donald Trump e a Rússia estão sob a mira de um autor de canções que chama para a cadeira de produtor Nigel Godrich, o cúmplice dos Radiohead, a banda que herdou os ensinamentos dos… Pink Floyd.

Entre “Amused To Death” e “Is This The Life We Really Want?” há 25 anos, mas desse quarto de século só nove foram de abstinência. E quando Roger Waters regressou à estrada, em 1999, após 12 anos sem subir a um palco, aglutinou algumas das canções mais representativas do seu catálogo – de “The Wall” e “Dark Side of The Moon”, dos anos instrutivos dos Pink Floyd, de material a solo colecionado ao longo do ano e o inédito “Each Small Candle”.

No balanço entre a memória e o futuro, sempre disse “presente”. Escreveu “To Kill The Child”, sobre a invasão armada ao Iraque em 2003, e “Leaving Beirut”, um prospeto antiguerra inspirado pelas viagens ao Médio Oriente em adolescente. Também concordou em participar na episódica reunião de 24 minutos dos Pink Floyd no Live 8 (Londres, 2005) e escreveu a ópera em três atos “Ça Ira”, estimulada pela Revolução Francesa. De volta ao retrofuturo, a digressão “The Dark Side of the Moon Live” tirou o sexagenário de casa durante dois anos. Mais dois de intervalo e novo encore, com “The Wall Tour” nas arenas a partir de 2010.

Em 1973, os Pink Floyd usavam da ironia num dos versos mais populares da história do rock. “Money, it’s a crime”, troçava uma das canções emblemáticas de “Dark Side of the Moon”. A pop regurgita-se a si própria e, 40 anos depois, Waters escutava o som das moedas a pingar na caixa registadora com a cadência de um dilúvio em ano de inverno sem folgas.

No mesmo período criou cumplicidade com o produtor Nigel Godrich, o “sexto Radiohead”, banda que herdou ensinamentos dos Pink Floyd e aplicou conhecimentos em obras magnas como “Ok Computer”. Waters ficou impressionado com a ajuda no triplo ao vivo “The Wall” (2015) e chamou Nigel Godrich para produzir “Is This The Life We Really Want”, advertindo previamente não ter ouvido os Radiohead.

Verdade ou consequência, Waters sempre geriu a agenda ao sabor da vontade pessoal e, em mais de 30 anos divorciado dos Pink Floyd – a quem acusou publicamente de terem acabado em 1985 -, este é apenas o quinto álbum. Quarto se considerarmos “Ça Ira” o tal parêntesis orquestral, apesar das inquietações políticas e dos impulsos revolucionários serem comuns a uma linguagem, neste caso, ideológica.

Só escrevi sobre uma coisa na minha vida, que é o facto de nós, como seres humanos, sermos responsáveis uns pelos outros, e que é importante criar empatia com os outros, que organizemos a sociedade para que todos nos tornemos mais felizes e consigamos a vida que realmente queremos. E a vida que realmente queremos é uma vida em que todos nós podemos educar os filhos para que eles e os nossos netos possam aspirar a uma vida melhor e mais produtiva (…) do que as vidas que somos forçados a viver agora, controlados como somos por muito poucos”, declarou em entrevista à “Rolling Stone”. De um só trago, Roger Waters respondeu à questão colocada no título e recentrou a problemática no mundo dos políticos e na divergência entre a sociedade civil e aquela que está, aparentemente, acima dela.

Ele, que perdeu o avô e o pai na i e ii guerras mundiais, respetivamente, sempre foi um crítico dos conflitos entre países, dos muros e das barreiras criadas entre povos e da forma como os países e as organizações políticas alimentaram guerras a mando de interesses ocultos. O tempo de Donald Trump na presidência é matéria-prima valiosa para usar a música a favor da reflexão e da consciência coletiva.

A caminho de completar 74 anos, não se rendeu à terceira idade e tem ainda uma palavra a dizer sobre a condição humana no mundo de hoje. Todos os detalhes parecem fazer parte de um puzzle. A capa é formada por um pedaço de texto censurado, onde apenas são percetíveis as palavras que formam o título. No livreto do disco, uma fotografia de Donald Trump com barras pretas, iguais às da capa, é legendada com a frase “a leader with no fucking brains”, retirada da canção “Picture That”.

O presidente americano já tinha sido o centro das atenções no México quando Waters lhe dedicou “Pigs (Three Different Ones)”, exibindo diversas caricaturas, criadas por artistas visuais, que o mostravam com uma metralhadora à porta da Casa Branca ou a fazer a saudação nazi. No final da canção, Waters recapitulou uma série de frases polémicas do então candidato, antes da estocada final em espanhol: “Trump, eres un pendejo” (”Trump, és um parvalhão”). Na tomada de posse do novo presidente erigiu um gigantesco porco insuflável onde se podia ler “que se foda Trump e o seu muro”, e montagens com elementos do Ku Klux Klan. Na mesma noite, Waters deixava o aviso: “A resistência começa aqui.”

Estávamos em janeiro e era apenas o prólogo. “Is This The Life We Really Want” adota o rock de combate como uma necessidade para responder aos problemas sociais de um mundo a sofrer de hemorragias internas.

Entre baladas e canções adultas, toda a agressividade é depositada no discurso. “The Last Refugee” descreve o drama dos refugiados que ficam pelo caminho – os que são derrotados pelas circunstâncias e aqueles que perdem o rasto à família. “Picture That” aponta o dedo a Trump com passagens como “There’s no such thing as being too greedy” e, à sexta canção, Waters sintetiza a visão global de um universo particular, relacionando o medo e a censura com as políticas radicais. A letra alude à Rússia de Vladimir Putin no verso “Every time a Russian bride is advertised for sale” e repete a menção desonrosa a Donald Trump. “And every time a nincompoop becomes the president”, escreve. Um “nincompoop” é um “pateta” em inglês.

As cenas dos próximos capítulos desinquietos continuam na estrada. Roger Waters está em digressão nos EUA e já extraiu uma mão-cheia de canções do novo álbum para um espetáculo que, a curto prazo, deverá chegar à Europa. Porque o palco “é viciante”.

Artigo de Davide Pinheio, publicado no nosso parceiro Jornal SOL

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

Syd Barrett, Roger Waters, Rick Wright

Is This the Life We Really Want? é o nome do tão aguardado álbum do ex-líder e baixist

Para além de célebre intérprete de uma das bandas mais conhecidas de todos os tempos, Ro

Concluído o primeiro semestre do ano, sentimos necessidade de arrumar as nossas prateleiras discog