Rita Ferro Rodrigues: “Precisamos urgentemente de humoristas feministas em Portugal”

12 SETEMBRO, 2017 -

Apesar de falar com serenidade, não hesita nas «respostas – as palavras saem-lhe em catadupa, claras, mas coladas umas às outras. Assertivas. 

Foi com essa assertividade que um dia Rita Ferro Rodrigues respondeu a um professor da Universidade Católica, onde cursava Direito, que não acabou, que não tinha nada que interromper uma aula para fazer comentários sobre a roupa que trazia vestida. Recebeu como resposta uma expulsão da aula e a promessa de que nunca acabaria ali o curso. Não acabou, mas recorda este como um dos pequenos momentos da sua vida em que, conta, começou a querer para a sociedade aquilo que, com um irmão gémeo, tinha em casa: a plena igualdade de direitos, deveres e oportunidades entre homens e mulheres. As Capazes são a mostra, «ainda por concretizar» na plenitude, dessa vontade. Depois de ter crescido «submersa» em política e de um percurso na televisão que foi da informação ao entretenimento e, por vezes, sobrepôs as duas áreas, a situação que considera ideal, Rita Ferro Rodrigues diz ter aos 40 anos uma capacidade de escolher as lutas que não tinha aos 20. A conversa decorreu nos Jardins da Gulbenkian numa daquelas manhãs do fim de agosto em que o céu desabou, e poucos dias após a polémica dos manuais p’ro menino e p’ra menina invadir as redes sociais.

Ontem à noite fez mais uma publicação sobre igualdade de género no seu Instagram. Ainda resquícios sobre a polémica da semana passada?

Sim. O que aconteceu estes dias foi importantíssimo e levou-me a tirar várias conclusões. Uma delas é que em Portugal, com alguma preocupação minha mas com a total noção da realidade, ainda estamos no início das discussões destas questões de género. As pessoas ficam literalmente chocadas e revoltadas porque estamos a mexer em coisas que estão enraizadas profundamente, acreditam mesmo que as meninas nascem com um código genético cor de rosa e os rapazes com um código genético azul. E que as meninas gostam de bonecas e os rapazes, pronto, gostam de carros. Quando dizemos às pessoas: «mas já pensaram que se lhes dermos a oportunidade de escolher isto pode não ser assim?», elas ficam baralhadas. E esta questão dos cadernos é um bom exemplo disso porque levantou uma polémica gigante, muito interessante e muito positiva, porque põe as pessoas a debater as questões, mesmo havendo, por vezes, formas de debate menos elevadas. Mas isso há sempre nessas discussões.

Fala dos comentários que são apenas ataques nas redes sociais?

Sim. Julgo que isto levantou aqui uma outra questão muito importante: devemos estar atentos àquilo que os nossos filhos leem e àquilo que lhes é imposto para ler. Sabemos que estes manuais não eram obrigatórios, se fossem livros escolares ainda era mais grave, mais não deixa de ser grave que exista um caderno de atividades para raparigas e outro para rapazes, não faz qualquer sentido se começarmos logo por aí. Depois outra conclusão a que também cheguei com a análise disto tudo, e que também me tem estimulado e divertido porque gosto destas questões e de as debater – mesmo que às vezes o debate seja duro, – é a de que nós precisamos urgentemente de humoristas feministas em Portugal. O humor é uma arma muito forte para desconstruir.

Acha que não temos nenhuma?

Assumidamente feministas temos algumas mas ainda não têm a visibilidade desejada. E o humor, como se viu pela intervenção do Ricardo Araújo Pereira, que é uma intervenção inteligente mas manipuladora. O Ricardo foi analisar os cadernos e depois fez um sketch – muito bem feito porque ele é muito bom e tem muita graça – a tentar desmontar e a dizer que os manuais não são sexistas. É mentira, os manuais são sexistas. E o Ricardo sabe muito bem disso, mas teve muita graça na forma como fez essa desconstrução. E, de facto, o humor torna-se viral e isto fez-me pensar que é uma das coisas que faz mais falta em Portugal – elas devem andar por aí mas devem andar escondidas, as humoristas feministas, para também com o humor poderem desconstruir estas questões dos estereótipos de género.

Nos últimos tempos, recordo-me pelo menos de duas polémicas associadas a esta questão – a primeira foi a dos brindes da McDonald’s. Que leitura faz disto?

É verdade. Acho que as pessoas estão a começar a pensar nestas coisas, apesar de tudo, mas com custo. Mesmo a questão da Mac Donald’s que, se não estou em erro, foi levantada por um artigo feito pela Fernanda Câncio no Diário de Notícias. Quando se questiona uma empresa internacional sobre o facto do Happy Meal trazer brinquedos para raparigas e rapazes, política essa que a própria McDonalds veio dizer que não faz sentido nenhum, caiu o Carmo e a Trindade. As pessoas estão tão habituadas aos rótulos que nos são impostos e colados à testa desde que nascemos do que é suposto ser uma menina e é suposto ser um menino que não percebem que isto é uma construção da sociedade. E que este sexismo prejudica imensamente tanto as raparigas como os rapazes. Portanto sim. Essas duas polémicas são sinal de que se tem que discutir estas coisas por mais que as pessoas estrebuchem e se enervem. Faz-me um bocadinho lembrar quando se começou a falar em Portugal do casamento homossexual, em que os níveis de aceitação da opinião pública eram miseráveis. E depois tanto se debateu, tanto se falou que se agora formos fazer uma sondagem mais de 80% dos portugueses estão a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo. É o mesmo em relação a estas questões dos estereótipos de género. Estou convencida de que o caminho é semelhante.

Nessa discussão do casamento ainda não havia redes sociais, onde muitas vezes não há discussão nem troca de argumentos. Acha que é um fórum que pode ser usado para bons fins ou o retorno é sempre negativo?

Pode ser usado para bons fins se a pessoa que está por detrás do teclado é inteligente e tem de facto uma preocupação de passar uma mensagem que considere importante para os outros. Depois há uma série de pessoas, mas isso é um problema das redes sociais, que são os trolls profissionais, as pessoas que só estão ali para ofender, para criar ruído, para lançar informações erradas. Vejo frequentemente textos que me são atribuídos e que não são meus, mas são usados para me atacar.

Como por exemplo?

No contexto das Capazes, quando querem atacar-me, vão buscar um texto escrito por outra autora. É para o lado que durmo melhor, mas acontece muitas vezes. As pessoas não entendem que é uma plataforma que tem centenas de autoras portuguesas espalhadas pelo mundo, muitas vezes nem nos conhecemos. Isso são formas de guerrilha nas redes sociais que a mim não me interessam. Por norma não reajo, e quando reajo é sempre com sentido de humor e de uma forma irónica.

Pegando nesse exemplo que deu em que lhe são atribuídos textos das Capazes que não são seus. Acha que é vista, e passo o exagero, como um bastião do feminismo em Portugal?

Espero bem que não. Até porque isso seria extremamente injusto. Para mim seria uma honra, atenção, mas seria extremamente injusto tendo em conta a quantidade de mulheres antes de mim que lutaram para que eu pudesse ter este pelo na venta que tenho e esta vontade de fazer coisas diferentes. Acho que as Capazes têm uma visibilidade nos dias que correm muito grande e que há uma determinada geração que nos associa sem dúvida, e ainda bem, ao feminismo. Mas o meu caminho ainda é recente. Há um caminho extraordinário feito por mulheres que lutaram na ditadura por direitos das mulheres, não nos vamos enganar em relação à dificuldade dos tempos! Os tempos são outros. Há sempre lutas, as nossas lutas [de hoje] também são muito válidas, mas há um passado.

Se for pensar no seu próprio caminho, qual foi o gatilho para criar as Capazes?

Ainda noutro dia estava a ver um trabalho que fiz para a RTP, para um programa que se chamava Portugalmente que passava na RTP2 e eu era repórter, tinha 21. Era um programa sobre Alfama em que basicamente eu ia entrevistar moradores, mandaram-me a gravação, nem me lembrava daquilo. Então a certa altura estou a falar com uma série de homens à porta de uma tasca, uma conversa gira, e digo: «Então mas não há aqui senhoras?». Respondem-me. «As mulheres têm que estar em casa, não têm que ir para a tasca». E eu: «Então mas esta senhora vai entrar na tasca, acha que vai ser bem recebida?». Não sei responder bem à pergunta, mas estava a olhar para aquilo e a pensar quando é que surgem as Capazes. Isto para dizer que as coisas estão lá dentro de nós e acho que sempre estiveram na minha forma de analisar a vida, de me sentir mulher e de perceber socialmente como as coisas funcionavam. Depois houve um momento de maturidade que correspondeu a uma altura em que não estava a trabalhar ativamente na televisão e em que tinha mais tempo. Analisando também a minha vida e tendo em conta alguns episódios em que me senti prejudicada por ser mulher, e tendo em conta também uma agenda – não há aqui nenhuma hipocrisia – internacional, foi na altura em que a Emma Watson fez o discurso He for She [nas nas Nações Unidas]- achei que era a altura ideal para arrancar com um projeto feminista. Isto depois de muitas conversas com muitas mulheres de diferentes gerações, que diziam que fazia falta um projeto assim. Mas atenção, não acho nada que as Capazes sejam um projeto perfeito, antes pelo contrário, tem imensos defeitos que tentamos todos os dias melhorar. Desde logo este é um projeto que se auto sustenta de uma forma muito frágil, e depois precisamos de mais participação de mulheres.

Ou seja, as Capazes são uma ideia que está aí mas ainda por concretizar.

Sim, mas depois tem uma coisa irritantíssima para a maior parte das pessoas e que é o que mais adoro no projeto, que é o facto de ser tudo menos elitista. Junta mulheres que já pensaram montes de vezes sobre estas questões com mulheres que estão agora a começar a pensá-las.

Isso irrita quem, Rita?

As pessoas não percebem como posso discutir estas questões e depois fazer programas da tarde. O elitismo está nelas, isso diz muito mais sobre essas pessoas do que sobre mim. As Capazes irritam as pessoas que acham que o feminismo só pode ser debatido ao nível das academias, por exemplo. Isso não é verdade, não vamos a lado nenhum se for só por aí. Se não começarmos a falar com as miúdas dos liceus e explicar exatamente o que significa quando um rapaz lhe tira o telefone porque quer ler as mensagens dela, ou a dizer que ela não pode ir sair à noite com determinada saia. São questões aparentemente insignificantes, sem grande profundidade académica, mas têm que ser debatidas porque é aí que as coisas começam. As Capazes têm isso, incomodam porque de vez em quando há ali uns textos considerados mais básicos, e como é que é possível, nós pormos donas de casa a escrever. Sim, pomos. São iguais a nós.

Está a dizer-me que há uma ideia errada do feminismo dentro do próprio seio?

Claro que há.

Qual é a sua visão – de forma direta e escorreita – sobre o que é o feminismo?

É uma luta, claramente. E é uma luta pela igualdade de direitos civis, sobretudo, e oportunidades. Não quero ser igual, de uma forma simples, aos homens, quero é ter os mesmos direitos e as mesmas oportunidades cívicas. E políticas. E não tenho. É tão simples como isto. Vai-se ver e há disparidade de salários. Vai-se ver e há violência de género, vai-se ver o acesso aos cargos públicos, vai-se ver a progressão das carreiras, vai-se ver as envolvências da maternidade com a carreira, vai-se ver os estereótipos de género. Quando as pessoas questionam para que é preciso o feminismo, é para isto. Quem me dera a mim que não fosse preciso.

Deu aí o exemplo da tasca como um comportamento seu que refletia esta luta pela igualdade fora de casa. Dentro de casa cresceu com um irmão. Alguma vez sentiu que vos trataram de forma diferente?

Nunca senti. Só quando o meu avô, que eu amava perdidamente, contava anedotas picantes e só chamava o meu irmão. Ficava lixada porque não podia ouvir (risos). Era a única coisa, mas tanto na casa onde cresci como na família que criei a desconstrução dos micro machismos é constante. Todas as feministas também têm discriminação dentro delas, está interiorizado, atenção, é uma luta constante, ninguém está a salvo disto. Nós todos e todas somos alvo deste sexismo que é avassalador e que arrasa toda a gente – tenho que estar constantemente a desconstruir também na minha cabeça.

Consegue dar-me um exemplo?

O meu filho ontem chegou ao meu camarim e, como é uma criança de seis anos que nunca ouviu dizer, e ainda bem, que há coisas de meninos e meninas, a primeira coisa que fez foi pegar no meu bâton. E a minha reação foi achar aquilo estranho. Depois controlei-me e ele: «Está giro mãe, posso pintar-me?». «Podes filho, podes pintar-te todo». Mas o meu primeiro instinto foi «ai, o que é que ele está a fazer?». Portanto, eu própria tenho que me desconstruir porque isto está tudo tão enraizado e é tão poderoso em nós… A diferença entre mim e uma série de machistas que conheço é que eu tenho a consciência dessa internalização e da influência que isso tem em todos nós e que luto contra ela.

Que retrato faz dessa primeira Lisboa de que se lembra? A que sítios ia?

Andei primeiro na Voz do Operário que era na Estrela, depois saí para a Bartolomeu de Gusmão e para o Pedro Nunes, também na Estrela. Logo na Voz do Operário, eu e o João [irmão], na primeira classe, com seis anos, já íamos sozinhos para casa. Tínhamos que atravessar a Estrela toda, descer a Infante Santo para irmos para casa. A minha mãe e o meu pai na primeira dessas ‘viagens’ ensinaram-nos onde tínhamos que passar os semáforos. Depois soube, muito mais tarde, e achei delicioso, que ou um ou outro iam ver se nós cumpríamos sem nós sabermos que estávamos a ser vistos.

Mas imagino que não os deixe ir sozinhos, afinal esta Lisboa é muito diferente dessa. 

Não, agora tenho o Duda com seis anos e era impensável. Mas atenção que nós também éramos dois, éramos gémeos, andávamos sempre juntos.

Aquele mito que se diz que os gémeos sentem à distância é mesmo assim?

Não tínhamos nada disso, mas quando éramos pequenos completávamos as frases ao mesmo tempo. Ainda temos um bocadinho isso. O meu irmão é determinante na minha vida, é a pessoa a quem recorro quando preciso e quando tenho alguma aflição, mais do que até aos meus pais porque já estamos naquela fase de os defender e proteger. E ele também, penso eu. Mas não sinto nenhum esoterismo ligado ao facto de sermos gémeos.

Como ele vê o seu ativismo?

Ele é mais conservador do que eu (risos). E é muito discreto. Sei que tem muito orgulho no meu ativismo mas está sempre a tentar balizar-me as causas, do género «mana isto vale a pena atacares, isto não» (risos). Tem muita graça. Às vezes diz: «Por favor, não te desgastes com isto».

Tinham alguma tradição familiar?

Aos domingos íamos sempre almoçar a casa dos meus avós e tenho imensa saudade. É talvez a tradição de que sinto mais falta. E já disse isto várias vezes e é verdade – quando estava naquela mesa dos meus avós em Paço d’Arcos, uma daquelas casas mesmo para receber a família, que falava toda a gente muito alto, e eu às vezes estava a olhar e parava assim o tempo um bocadinho. E lembro-me de pensar: «Estão todos vivos, estão todos a rir, bem-dispostos, a discutir, eu vou ter tantas saudades disto». Lembro-me de congelar estes momentos.

Que idade tinha? Não é uma consciência ou uma necessidade muito normal numa criança. 

Era muito miúda, tinha oito, nove anos, e é uma coisa que até me arrepia agora pensar, em como eu na altura já tinha noção de que aquilo era precioso. Acho que tive consciência da finitude cedo.

Quando?

Comecei a pensar na morte muito pequenina, não na minha. E depois tive algumas perdas de pessoas de que gostava bastante quando era mais nova, amigos próximos dos meus pais, o meu avô materno. É uma boa pergunta porque acho que até foi antes disso. Tinha a noção de que aquilo ia ser importantíssimo na minha vida. E é. Regresso imensas vezes a essa mesa, a essa sala e a essas pessoas, congelei-os bem na minha cabeça. Até tenho memória do que estavam a comer na altura e tudo. Uma vez a Lídia Jorge deu-me boleia de um jantar e disse-me que a maior parte das pessoas não consegue identificar a felicidade e que, quando nós estamos a ser felizes, é importante parar e dizer: «Ok, estamos a ser felizes». Para sabermos. Às vezes estamos a ser felizes e não temos o vagar de dizer parou. Para depois referenciar, identificar que aquele foi um momento de felicidade.

Ao longo da sua vida quantas mais vezes parou o tempo e foi feliz?

Ai, tenho sido algumas vezes! Mas acho mesmo que a felicidade é um momento, atenção. Ando tão ocupada a cumprir-me, seja lá o que isso foi… Mas ontem à noite com o meu filho. Perguntei-lhe «como é que tive a sorte de ter um filho assim», e ele respondeu-me «porque foste tu que me criaste». A resposta perfeita (sorri).

Tem uma filha adolescente, todos sabemos que há uma fase em que os filhos têm uma certa vergonha dos pais. Isso acontece convosco?

Acontece tudo, claro! (risos) Sei, porque ela mo diz, que tem muito orgulho em mim. Mas também não quer, como é normal, que a vá levar aos sítios, nem que apareça muito ou que comente as fotografias dela nas redes sociais. É do género: «Mãe, please, sossegada», (risos). Agora estou a ensiná-la a ganhar um bocadinho de carapaça porque a Leonor está numa fase… Ainda ontem me dizia: «Mãe, não deves responder às pessoas nas redes sociais quando elas são más para ti». «Oh filha, para já a mãe diverte-se muito e uma coisa que tens que aprender com isto é que faz parte do feitio da mãe, e depois há momentos em que não se responde e há outros em que temos mesmo de responder, quando as coisas são importantes para nós». E ela percebeu. Portanto, fica mais preocupada do que envergonhada.

Voltemos um bocadinho a essa parte da sua infância, cresceu basicamente ao colo da política.

(risos) Cresci com a política sempre presente, que é diferente de crescer ao colo da política.

Percebia o que faziam os seus pais?

Percebia, era impossível não perceber. Nasci em 76, a minha mãe e o meu pai eram ativistas políticos desde muito novos. A minha mãe é uma católica de esquerda, o meu pai um ateu convicto, portanto isto deu aqui uma mistura gira.

Pende para que lado?

Não acredito em Deus. Era impossível não ter respirado esse ambiente. Tinham os dois um partido político que era o MES [Movimento Esquerda Socialista], composto por pessoas que depois se vieram a tornar relevantes na política. As reuniões eram lá em casa e portanto eu e o meu irmão estávamos submersos num ambiente político. O meu irmão era mais atento do que eu, despertei mais tarde para as questões políticas. Lembro-me de debatermos com dez, onze anos com os adultos como se tivéssemos a idade deles, e até política internacional e tudo.

Aprendeu a perceber o trabalho dos políticos nessa altura? Acha que foi privilegiada nesse sentido?

Aprendi. Se calhar fui, no sentido de ter tido acesso e de ter conhecido sempre gente da política muito séria. Se toda a gente tivesse possibilidade de conhecer as pessoas, e ainda são muitas, atenção, que estão na política mesmo por convicção, com espírito de sacrifício e de missão e por acreditarem que o seu contributo como pessoa pode ser fundamental para o bem comum, acho que as pessoas respeitariam muito mais os políticos. O discurso de que os políticos são todos iguais, são todos uns aldrabões, mentirosos e corruptos é perigosíssimo e é gravíssimo. Cabemo-nos a nós combater isso.

Acha que a percentagem de pessoas que estão na política a sério, definindo o ‘sério’ da forma que acabou de elencar, é superior aos outros casos em que a vida política é escolhida por interesse?

Acho. Tenho que achar. Mas não sei se isso se vai manter no futuro, talvez porque faltem pessoas da nossa geração a chegar-se à frente. Há muitos treinadores de bancada e pouca gente que de facto queira de facto exercer política e isso é grave.

Ver o seu pai hoje em dia como presidente da Assembleia da República, a segunda figura de Estado da Nação, hierarquicamente mais importante do que o primeiro-ministro, é repor a verdade? Vê-lo ali depois das acusações [de pedofilia] de que foi alvo e ter a confiança política tanto do partido como das pessoas é uma reposição de idoneidade?

Acho que não é uma questão de repor seja o que for. O meu pai foi caluniado, nunca houve absolutamente nada, foi uma calúnia orquestrada e muito grave. Sobretudo para a democracia, mais do que para ele ou para nós. E para o Estado de Direito. Vê-lo no cargo em que está para mim é um orgulho muito grande mas é inteiramente merecido no sentido em que lá está, vindo da conversa anterior, é uma pessoa que nunca aceitou um cargo público numa empresa, um cargo de administração. Está na política por convicção absoluta, desde os 20 anos, de que pode ajudar aqueles que que vivem pior. É mesmo por convicção, ele é um caso de abnegação e de seriedade. Por isso, sim, o facto de ser o presidente da AR é algo que me enche de orgulho e que faz todo o sentido tendo em conta a idade que ele tem e o percurso que fez na política com esta integridade, lisura e definição de caráter que a mim são coisas que me norteiam.

Nunca sentiu o ímpeto de seguir as pisadas dos seus pais?

A minha mãe é historiadora mas sigo as pegadas dela todos os dias no que diz respeito à forma de me relacionar com os outros. Costumo dizer que ao lado dela estou sempre em construção. Tem uma magia, uma diplomacia, uma capacidade de fazer pontes e de chegar aos outros, uma verdadeira abertura que é uma lição para a vida. Em relação à política não vou dizer que não. Na escola andei sempre metida nas associações de estudantes. Nunca digo desta água não beberei, mas neste momento não é por aí o meu caminho. Ser uma ativista na área em que sou é a minha forma de deixar uma pegada, e de fazer alguma coisa por uma sociedade que quero ajudar a construir e quero que se torne mais justa e mais feliz.

Não põe então de parte que um dia se concretize a entrada na política ativa?

Neste momento ponho, até porque ao contrário do que as pessoas pensam não tenho nenhuma identificação imediata com nenhum partido. Voto sempre à esquerda mas a nível partidário não tenho nenhuma identificação, identifico-me com ideias e valores, com partes de programas, mas tinha que haver aqui uma mistura que ainda não acontece (risos).

Acabámos por fugir de novo há sua infância. Era uma miúda que comunicava muito ou era tímida?

Sempre fui extrovertida, sempre gostei de ser ouvida, e sempre percebi desde pequenina que isso incomodava. E sempre me deu gozo que isso incomodasse (risos). Lembro-me de na escola secundária os professores dizerem o que achavam verdades absolutas e de eu os questionar, se podia fazê-lo com os meus pais e avós por que é que não poderia questionar um professor? Isto estendeu-se durante o ensino todo e foi gravíssimo quando entrei na faculdade de Direito, na Católica. Não acabei o curso e foi o ponto máximo dessa minha perceção de que fazer perguntas às vezes não era fixe, e sendo mulher ainda menos fixe era. Tive um professor muito conceituado de Direito que interrompeu uma aula de constitucional para comentar a camisola que eu estava a usar porque achou que eu tinha um decote que não era apropriado para a Universidade Católica. Disse-lhe que ele não devia estar numa aula a olhar para o meu decote. Fui para a rua, claro, e depois ele disse-me que eu nunca tiraria o curso ali.

Antes de entrar na faculdade já apresentava o Caderno Diário.

O Caderno Diário tinha uma coisa muito boa: tínhamos pessoas de muita idade e que viam já que a lógica era traduzir as notícias para miúdos. Portanto, usávamos uma linguagem muito simples que é uma das regras do jornalismo – claro, curto e conciso. Nos dias de hoje era muito fixe haver um jornal desse género com questões, entre elas, as que tenho de colocar na agenda diariamente. Era um dos meus sonhos ter um programa de debate com jovens sobre estas questões.

Li numa entrevista sua que, nessa fase começou a ser muito reconhecida na rua, alguém lhe disse para se acalmar.

Comecei muito cedo, o primeiro programa que fiz de televisão tinha 12 anos, uma coisa fugaz. Depois quando fiz o Caderno Diário senti, como toda a gente sente no início, o deslumbramento ser reconhecida e de me deixarem em todo o lado, ainda por cima com 16 anos. Houve uma amiga minha mais velha que me disse: «Tenha cuidado para não se transformar na Lili Caneças dos pequeninos». (risos) Foi uma fase, passou-me muito rápido. Depois fui para a concha. E vou cada vez mais.

Teve algum padrinho na televisão?

A única pessoa a quem eu chamo madrinha, em tom de brincadeira, é a Catarina Furtado, conhecemo-nos desde miúdas e quando comecei muitas vezes me aconselhei com ela. De resto não tive ninguém, antes pelo contrário. As pessoas sabem todas a história, que é pública: entrei para a televisão através de um casting que fiz sozinha, sem dizer aos meus pais. Usei o nome da minha mãe, o meu pai na altura era só deputado.

Era importante para si que não houvesse essa réstia do filho de?

Era e durante muitos anos andei a levar com esse filme, para o qual aos 40 anos já me estou a borrifar. Por incrível que pareça ainda há pessoas que dizem que de certeza que entrei no Caderno Diário porque foi o pai que meteu uma cunha. Nunca tive padrinhos, pelo contrário, tive sempre que batalhar e muito mais do que a maioria das pessoas que conheço no meio.

Porquê?

Precisamente porque havia muitas vezes um preconceito e um rótulo associado ao meu nome. Senti isso de forma direta muitas vezes. Tanto que senti necessidade de sair da RTP e de ir trabalhar para um privado. Fui eu que pus a bandeirola no ar para o Nuno Santos e o Emídio Rangel. Não foram eles que me foram convidar para ir para a SIC Notícias, eu é que procurei. E foi a melhor coisa que fiz naquela altura.

Depois quando é que se desencanta do jornalismo?

Todos os dias (risos). Isso seria uma outra conversa, mas acho que estamos numa altura em que é preciso fazer muita auto crítica em relação ao jornalismo e também saber sublinhar os bons casos. Como na política.

Mas houve uma altura em que isso mudou o seu percurso.

Nunca me desencantei em absoluto, teve a ver também muito mais com o meu percurso pessoal do que com qualquer outra coisa. Quando tens programas da tarde que falam em canal aberto sobre o que é ser transexual, sobre a homossexualidade, sobre a adoção de casais do mesmo sexo, etc., em day time, claro que tenho um orgulho imenso. E isso é trabalho jornalístico. O meu desencanto, portanto, foi sentir que era capaz de me cumprir de uma forma muito mais eficaz no entretenimento.

Há relatos de que se partiu a rir a ler um pivot.

Milhões de vezes. Essa foi uma das razões pelas quais tive que sair. Já tinha feito entretenimento na RTP mas depois durante algum tempo fiz uma mistura de informação e entretenimento que é o que gosto mais de fazer e é o que considero que estou a fazer agora. Com coisas que também odeio, nos programas há coisas que todos nós apresentadores temos que fazer e nenhum gosta. É um trabalho que se pode fazer com maior ou menor verdade ou com com maior ou menor dignidade, e tento fazer com a maior possível, mesmo quando sou contra determinado conteúdo que apresento, que já aconteceu.

De que conteúdo falamos?

Não conheço nenhum apresentador que goste de fazer chamadas de valor acrescentado. Parece um elefante na sala e as pessoas usam isso para me atacar às vezes, mas é algo que faz parte do modelo de negócio nas empresas privadas e até estatais, porque a RTP também as faz. Optei por fazer com toda a verdade e com toda a dignidade, ou seja, não há um único apelo em que eu não diga quanto é que a chamada custa, quem é que pode ligar e chamar a atenção para o regulamento.

Trabalhar todos os dias num programa de televisão é ter a vida traçada a regra e esquadro?

Um bocadinho, sobretudo no programa da tarde que me ocupa muito tempo. O meu telefone hoje ainda não parou de tocar mas não é por causa do programa, é por causa das Capazes em que, por norma, trabalho de manhã.

Quem gostava de ter no seu programa?

Já tivemos muitos convidados de luxo, as pessoas têm muito pouca perceção do que andamos a fazer à tarde. Tenho um orgulho enorme no programa que estamos a fazer. Ainda no outro dia fiz uma entrevista a uma senhora que é a comandante distrital da PSP de Lisboa que foi uma absolutamente extraordinária e que eu não trocava por nenhuma figura pública internacional. Quando acabou eu e o João [Baião] só dizíamos mas o que é que aconteceu aqui, foi mágico.

As contingências das audiências balizam o vosso trabalho de alguma forma?

Balizar no sentido de nos sentirmos melhores ou piores? Não, quem percebe de audiências tem que as analisar de uma forma honesta, e isso é analisar o canal primeiro, depois segmentar os vários produtos. Isto era uma conversa longa mas para dizer que não nos sentimos postos em causa. Mas é evidente que as audiências ditam o mercado e portanto temos preocupações.

Entrevista de Mariana Madrinha / Parceria jornal i
Fotografias de Diana Tinoco

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

O que vais ouvir, ler ou ver foi produzido pela equipa do É Apenas Fumaça, um projeto de medi

O Dia Internacional da Mulher celebra todas as conquistas femininas

A 27 de Dezembro de 2016, na capa do jornal Público lia-se escrito a vermelho e a amarelo: "O que