‘Portugal tem um clima ideal para cultivar canábis’

12 SETEMBRO, 2017 -

Look Fantastic PT 180X150
Womens Bags PT 300 x 250

A empresa canadiana especializada em canábis medicinal recebeu este verão luz verde do Infarmed para avançar com a produção. Em entrevista ao SOL, o fundador da Tilray revela os planos. Prevêem contratar 100 pessoas, num investimento inicial de 20 milhões de euros em Cantanhede. Cultivo arranca este mês.

Como escolheram Portugal para instalar o vosso projeto? Conhecia o país?

Não. Começámos a fazer pesquisas em 2014. A primeira visita a Portugal foi em 2015.

Quantos países visitaram?

Bom, como hei de pôr as coisas… No ano passado voei cerca de 300 mil milhas, o que é qualquer coisa como quatro voltas ao mundo. Em 2015 visitei 17 países e tem sido este o ritmo. Portugal tem um clima ideal para cultivar canábis. Tem profissionais de saúde altamente qualificados, tem uma comunidade de investigação vibrante e, obviamente, garante acesso ao mercado europeu. E vamos poder produzir de forma mais amiga do ambiente.

Porquê?

Por causa das boas condições climáticas. O país tem muito sol e uma humidade relativamente baixa, que é o necessário. Analisámos vários países, incluindo no Sul da Europa, e gostámos das características do país. E depois tivemos conversas recetivas com as entidades governamentais, o que também pesou.

Quem foram os interlocutores?

Falámos diretamente com o Governo, quer a nível local, quer a nível nacional.

Como surge Cantanhede?

Foi um dos locais que visitei em 2015. Uma das razões foi o facto de não pretendermos apenas uma unidade para cultivar, processar e embalar canábis, mas também fazer investigação. Temos vários projetos em todo o mundo mas o campus em Cantanhede será o nosso hub para cultivo e investigação na Europa.

É o vosso primeiro polo fora do Canadá?

Sim. Temos empresas noutros países como Austrália, Nova Zelândia ou Alemanha. Mas só cultivamos no Canadá e agora, brevemente, em Portugal. As instalações do Centro de Inovação em Biotecnologia – Biocant revelaram-se decisivas, em termos de equipamentos e laboratórios. Tinham tudo o que precisávamos.

Quais são os planos para Cantanhede? Que quantidade de canábis tencionam cultivar em Portugal?

Vamos investir por fases. Para esta primeira fase está previsto um investimento de cerca de 20 milhões de euros. Estamos a falar de um cultivo de oito toneladas métricas de canábis.

Quando começam a cultivar?

Este mês.

E depois quanto tempo demora até à primeira colheita?

Entre plantar e o processamento final demora cerca de seis meses. No Canadá cultivamos durante todo o ano em ambiente interior e todas as semanas temos colheitas. É um processo rápido. Temos cerca cinco de colheitas por ano em cada unidade. Em Portugal, a nossa intenção é cultivar em três modalidades: teremos cultivo interior com recurso a luz artificial, cultivo em estufas de vidro e vamos fazer algum cultivo para investigação no exterior. Nas estufas teremos três colheitas por ano.

Quantas pessoas vão empregar?

O projeto prevê a criação de 100 postos de trabalho diretos, de lugares de investigação a mão de obra agrícola.

Para as colheitas vão recrutar portugueses? Tem havido algum recurso a trabalhadores estrangeiros, nomeadamente na produção de frutos vermelhos no sul do país.

Até agora contratámos portugueses. Temos estado a conhecer a realidade. Fomos a duas quintas perto do Algarve que se dedicam a frutos vermelhos.

A canábis que vão cultivar será usada para produzir medicamentos ou também é para ser fumada nos países onde já é legal os médicos prescreverem erva aos doentes?

Atualmente no Canadá fabricamos mais de 100 produtos, que exportamos para meia dúzia de países, com a expectativa de alargar para mais um conjunto de países até ao final do ano. Isto inclui produtos com a planta inteira, extratos purificados em forma líquida, cápsulas, vaporizadores. Portanto temos dos dois tipos, mas produzimos o produto final. É isso que vamos fazer em Cantanhede.

Tencionam comercializar os medicamentos em Portugal? Até hoje só há um produto autorizado no país mas não está à venda.

Não tem sido esse o nosso foco. Diria que o principal destino na Europa é a Alemanha, que tem estado a apostar num programa de canábis medicinal. Todos os nossos produtos são vendidos em farmácias ou ao mercado hospitalar. Alguns são também usados em ensaios clínicos que estão em curso em diferentes países.

Que garantias há de que a vossa canábis não acaba a ser vendida no circuito ilegal da droga?

No Canadá existe um quadro regulatório bastante apertado, temos inspeções regulares por parte da Health Canada, o equivalente ao Infarmed.

Não há assaltos às plantações?

Não. Temos segurança apertada e vamos tê-la em Cantanhede.

Mas é uma preocupação particular neste negócio, sendo a canábis a droga mais consumida e vendida neste momento na Europa?

Há produtos bem mais viáveis para os ladrões. O produto é viável durante um período muito curto, basicamente só imediatamente antes da colheita e nessa altura o que fazemos é reforçar a segurança.

Em que áreas anteveem uma maior utilização de canábis medicinal nos próximos anos? 

Estamos a fazer investigação clínica com parceiros hospitalares e universitários para estudar a eficácia e segurança dos produtos em diferentes áreas. Temos um ensaio em Perturbação do Stress Pós-Traumático, outro com pessoas com doença pulmonar crónica obstrutiva.

Nesse caso usa-se a canábis como?

Em vaporizadores. Estamos também a participar em dois ensaios clínicos sobre o tratamento da epilepsia em crianças, um na Austrália e outro em Toronto. Fornecemos ainda produtos para um ensaio com doentes que estão a fazer quimioterapia. Atualmente, os doentes que utilizam os nossos produtos são sobretudo na área da gestão da dor.

Há uma projeção de quantos doentes poderão vir a utilizar este tipo de produtos nos próximos anos?

Estimamos que na próxima década vamos ter 10 milhões de doentes a utilizar produtos à base de canábis na Europa.

Os receios em torno da dependência de medicamentos opioides parece estar de alguma forma a acelerar o interesse nestas alternativas à base de canábis. Até que ponto há certezas de que os compostos da canabinoides são mais seguros?

Não sei se concordo totalmente com isso. Os primeiro estado a legalizar a canábis medicinal na América foi a Califórnia, em 1996, numa altura em que ainda não se falava dos opioides. Começou a ser usada por doentes com VIH.

Mas a marijuana é consumida há séculos e só agora parece haver um interesse crescente e mercado. Porquê?

É uma boa questão. Acho que a resposta tem a ver com a pergunta. Os humanos consomem canábis há 5000 anos. Agora está a ser feita cada vez mais investigação para perceber o potencial destes produtos como alternativa a fármacos mais perigosos.

A discussão sobre a legalização do consumo recreativo deve estar separada do uso terapêutico? 

Acho que é um assunto separado. A proibição da canábis disseminou-se por todo o mundo durante o último século. Portugal liderou o caminho com a descriminalização e as políticas implementadas por Joao Goulão. A experiência que está a ser conduzida pelo Uruguai e, dentro de dez meses, o Canadá – que legalizou o consumo por adultos – são os novos passos, mas acho que devem ser assuntos separados.

A Tilray vai passar a fornecer canábis para consumo recreativo?

Não. Estamos inteiramente focados na canábis para fins médicos. Não vamos fornecer o circuito da canábis para fins recreativos.

Porquê?

Achamos que existe um potencial enorme e apostámos numa equipa de cientistas que estão concentrados no desenvolvimento de produtos médicos.

No ano passado as vendas de canábis na América Norte subiram 30% para os 6,7 mil milhões de dólares. Estima-se que cheguem aos 20 mil milhões no fim da década. O que pode minar este crescimento? 

Precisamos de mais investigação para perceber os produtos. Quando mais soubermos sobre como é que diferentes produtos podem ajudar doentes em diferentes situações, menos riscos haverá. É o que mais me preocupa, mas também entusiasma. O facto é que ainda não sabemos o suficiente e não sabemos porque a investigação esteve basicamente parada ao longo do último século.

Havia o confronto entre as drogas boas – os medicamentos no geral – e as drogas más, as que foram declaradas ilícitas.

Sim. Os investigadores não queriam e às vezes não podiam sequer desenvolver os estudos que hoje estão a ser feitos.

João Goulão tem vindo alertar que a canábis que hoje é consumida tem mais THC – o composto ativo que causa os efeitos psíquicos – do que no passado, o que aumenta os riscos para os utilizadores. Diz mesmo que não é uma droga leve. Como gerem o THC nas plantas?

Temos produtos com diferentes combinações de canabinoides, sendo que os principais em termos clínicos são o THC (tetrahidrocanabinol) e o CBN (canabinol). Distribuímos produtos que têm níveis baixos, médicos e altos de THC e o mesmo com o CBN, cada qual com as suas indicações. Mesmo os países que venham a legalizar o consumo poderão vir a restringir os níveis de THC da canábis posta à venda.
Depois de Cantanhede, tencionam ter mais unidades na Europa?

Não. À partida será o nosso único polo, embora possamos vir a ter outra localização em Portugal algures no futuro.

Como acabou nesta área?

Em maio de 2010 estava a trabalhar num banco de investimento e recebi um cliente da indústria de canábis medicinal na Califórnia. Não sabia nada sobre canábis. Quer dizer, cresci em São Francisco, mas nunca fez parte da minha vida. Reuni uma equipa, começámos a falar com produtores, a tentar perceber o que havia. Em 2010 não dava para usar o Google para perceber o setor: não havia investigação, não havia artigos, não havia nada. Fomos a campos na Califórnia, Oregon, Canadá, Jamaica. Ao final de um ano de pesquisa achámos que era a indústria certa e fundámos a empresa.

Ao longo destes sete anos, que histórias o marcaram?

Muitas. Um dos primeiros utilizadores que conheci foi um bombeiro reformado. Estava a morrer com cancro, toda a vida tinha sido anti-drogas e utilizou canábis durante os seis últimos meses para lidar com a dor e ter mais apetite. Ultimamente as situações mais tocantes têm sido com pais de crianças com epilepsia, que nos contam que conseguem reduzir o número de ataques de forma significativa.

Sem efeitos colaterais? Uma diminuição cognitiva, por exemplo?

A maioria destes produtos que estamos a avaliar não têm THC, apenas canabinol.

E em jovem, fumava?

Experimentei quando era novo mas não era uma coisa regular.

E agora os amigos ou conhecidos que fumam metem-se consigo a pedir um bocado de erva?

Acho que as pessoas o levam de uma forma séria. Temos mesmo uma regulação muito apertada no Canadá. Conseguimos 150 milhões de dólares junto de investidores por isso mantemos uma segurança muito apertada em torno do nosso produto. Não queremos expor-nos a nenhum risco.

Portanto qualquer funcionário que seja apanhado a desviar canábis é despedido, é isso?

Sim.

Alguma vez aconteceu?

Não.

Entrevista de Marta F. Reis / Parceria jornal i

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

Pequim deu luz verde à plantação de canábis em duas províncias e está a investir fort

Canadianos são exemplo no mercado farmacêutico, americanos começam a abrir-se ao uso rec

Conselho Nacional da Política do Medicamento da Ordem vai emitir parecer Com o

Pioneiros na legalização da venda, cultivo e utilização da canábis para fins recreativ