‘Paula Rego por Paula Rego’, livro de Anabela Mota Ribeiro, reúne 5 entrevistas ilustradas com 50 pinturas

4 NOVEMBRO, 2016 -

O livro ‘Paula Rego por Paula Rego‘, que reúne cinco entrevistas realizadas por Anabela Mota Ribeiro à pintora, ilustradas com 50 desenhos e pinturas, vai ser lançado a 20 de Novembro, na Casa das Histórias, em Cascais.

A obra, que chega hoje às livrarias, com chancela da Temas e Debates, no género arte e biografia, tem 160 páginas e reúne entrevistas realizadas entre 2003 e 2011, a última no estúdio de Paula Rego, em Londres, propositadamente para incluir neste projecto

A autora, Anabela Mota Ribeiro, afirma, na introdução do livro, que “há em Paula Rego uma brutalidade sem filtro” e “Uma sensibilidade e uma inteligência finas. Um gosto pelos vestidos, o sangue e a fantasia“.

[Paula Rego] É, à vez, o anjo da guarda e o anjo vingador, armada de esponja e de espada. É, à vez, uma adulta medrosa, uma criança curiosa“, acrescenta a jornalista, nascida em 1971, licenciada e mestre em Filosofia, na Universidade Nova de Lisboa.

Sexo, poder, máscaras, fábulas, atravessam a obra da pintora Paula Rego, 81 anos, nascida em Lisboa, com estudos realizados na Slade School of Fine Art, onde frequentou o curso de pintura, entre 1952 e 1956, e onde veio a conhecer o marido, o artista britânico Victor Willing (1928-1988).

image

No livro ‘Paula Rego por Paula Rego‘, as perguntas de Anabela Mota Ribeiro tocam a obra, a vida, o imaginário da artista, e vão a assuntos mais íntimos, como por exemplo, a espiritualidade.

Reza?“, pergunta a jornalista a dado momento, e Paula Rego responde: “Então não rezo? Rezo, pois. Em pequeninos aprendemos a oração e, em alturas difíceis e penosas, a única coisa que nos resta é realmente a oração“.

Fala sobre ser filha única: “É sempre diferente de ter irmãos com quem brincar. Sempre me senti bem só, é um treino muito bom para ser artista, apesar de agora trabalhar com modelos. Mas tive meninice boa, muito boa“.

E do tempo em que fez psicoterapia: “Fica-se com menos medo. Sermos nós próprios faz menos medo e menos vergonha. Vinte e tal anos. Volta e meia ía lá. Era um senhor. Um homem bom“.

O medo é constante. Vive comigo todos os dias“, afirma Paula Rego numa outra entrevista, na qual também recorda a humilhação de quando apresentou as primeiras obras a uma galerista, que mal olhava para os desenhos e pinturas, e até dizia “isto não interessa“.

Paula Rego, radicada em Londres, tornou-se uma das mais reconhecidas artistas portuguesas internacionalmente, tendo sido distinguida, em 2010, pela rainha Isabel II com o grau de Oficial da Ordem do Império Britânico, pela sua contribuição para as artes.

Os lançamentos de ‘Paula Rego por Paula Rego‘ têm um primeiro momento em Cascais, a 20 Novembro, às 16:00, na Casa das Histórias Paula Rego, e no Porto, a 26 Novembro, às 16:00, na Livraria Bertrand.

Texto de Lusa e CCA

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS