Os portugueses foram mais brandos e menos racistas do que outras potências coloniais?

24 JUNHO, 2016 -

Racismo em português – O Lado Esquecido do Colonialismo

«Porque não aprendemos na escola que existiu em Angola e em Moçambique um apartheid alimentado por Portugal, a potência que não hesitou em promover o trabalho escravo até 1974? Vamos perpetuar a narrativa de um colonizador que não discriminava porque se miscigenou com as populações locais, quando sabemos que as obrigava a despir-se da sua identidade africana, a mudar de nome, a alisar o cabelo ou a obliterar a sua língua? Até quando iremos contribuir para uma mentalidade acrítica sobre um dos fenómenos mais violentos da nossa história? Finalmente: o que revela esta perspectiva de brandura de olhar sobre nós próprios, portugueses?»

A partir de inúmeras entrevistas feitas em Angola, Guiné-Bissau, Cabo Verde, Moçambique e São Tomé e Príncipe, Joana Gorjão Henriques desconstrói o tema tabu do racismo no colonialismo português.

Inclui DVD de oferta, com as reportagens feitas para o jornal «Público».

  • Junho de 2014
  • 232 páginas
  • 21×14 cm

Podes comprar o livro aqui

racismo

 

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

Aurélia de Sousa teve o seu "quarto só para si", expressão que

Tenho um cancro de grau IV. De cada vez que abro o teclado do computador na intenção de escrever,

A editora Tinta-da-China vai lançar, na terça-feira, no Bras

O diário de prisão do ativista luso-angolano Luaty Beirão será publicado pela Tinta-da-China no