Os livros e artigos proibidos na ditadura de Salazar

26 ABRIL, 2017 -

São dezenas os livros expostos nos corredores da galeria museológica do Fórum Cultural de Ermesinde, numa exposição que lá constará até ao próximo dia 28 de maio. Esta prende-se com a apresentação de elementos associados à censura salazarista, desde as próprias obras inviabilizadas para futura publicação, até aos próprios autos nos quais se decretava a proibição de difusão do livro. Numa cerimónia que contou com um concerto-tributo a Zeca Afonso, da autoria da fadista Ana Lains, no auditório do espaço, também a poesia e as experiências pessoais marcaram os antecessores da abertura da exposição.

Após a declamação do poema “Liberté” (1942), do francês Paul Éluard, e traduzido por Jorge de Sena, os representantes das duas instituições responsáveis pela composição deste evento ligado à liberdade – a Câmara Municipal de Valongo e o Museu Nacional da Imprensa – proferiram algumas palavras sobre o significado deste valor, e da responsabilidade cultural e cívica das obras que acabaram proibidas. O presidente da primeira, José Manuel Ribeiro, colocou a tónica nas vantagens que existem em viver num regime democrático, no qual, perante tantas potenciais lacunas, não põem a liberdade em risco, e sendo este o aspeto primordial de uma sociedade cívica ativa. O edil deixou, ainda, votos de que as “Festas da Liberdade” municipais passassem, no futuro, a ser celebradas durante toda a semana da efeméride. Por sua vez, o responsável pela segunda, Luís Humberto Marcos, reforçou a eficiência do aparelho de repressão das obras, mas não pôde esquecer o quão importante e relevante é a informação e todo o caminho literário das diferentes vozes opostas à doutrina ditatorial. Para além disto, deixou uma nota honrosa e valorosa sobre o especial acervo, que agora se encontra nos expositores da galeria museológica deste Fórum.

Entre outras obras, encontram-se, assim, os autos nos quais se define a apreensão dos exemplares de livros da autoria de pensadores, como o alemão Herbert Marcuse, ou o francês Jean-Paul Sartre. No que toca aos livros propriamente ditos, vários são aqueles que estão agregados nos expositores, estando alguns políticos (nomes como Karl Marx, Friedrich Engels, Fidel Castro, Mao Tsé-Tung, Mário Soares, Manuel Alegre e até Jorge Sampaio), outros líricos (Raul Proença, Ary dos Santos, Aquilino Ribeiro, ou Urbano Tavares Rodrigues), e demais literatura, incluindo a erótica, em que pontifica o nome de Henry Miller. Em painéis adjacentes ao corredor, estão listas aprofundadas e extensas com as diversas unidades literárias de proibida circulação nos tempos salazaristas, para além de artigos com parágrafos declaradamente opostos ao estado das coisas de então, incluindo José Saramago. No fundo, uma pequena compilação de uma imensa vastidão de fontes de informação e de criação que, por se oporem às premissas ditatoriais e conservadoras do Estado Novo, conheceram um entrave na sua expressão e proliferação, e que, só a partir de vias clandestinas, conheciam repercussão.

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

Moonlight é baseado na peça In Moonlight Black Boys Look B

Uma conversa sobre jornalistas e a propósito de um livro sobre jornalismo. O resultado, no