Os jovens ainda acreditam no amor?

28 AGOSTO, 2017 -

A opinião pública aponta para que os millennials, vivendo uma época altamente consumista e de fácil acesso a encontros e a conhecer pessoas novas, sejam cada vez mais desligados do amor, mais propícios a viverem experiências fugazes. O i foi ouvir alguns jovens e tentar perceber com que olhos é que os portugueses nascidos entre 1985 e 1995 vêem o amor

Diogo, 29 anos, Lisboa

Atualmente não estou em nenhuma relação e a mais recente que tive foi há cerca de dois anos. Estive numa relação que acabou por afetar imenso a minha autoestima e de onde tive que sair forçosamente e para o meu bem, mesmo apesar de, na altura, ainda gostar da pessoa com quem estava. Daí para a frente a minha vida amorosa foi um desastre. Constantes desilusões e corações partidos. Sou muito impulsivo e muito pouco calculista. Nunca me defendo de possíveis desgostos e quando me envolvo com alguém vou sempre de cabeça. Escusado será dizer que a maior parte das vezes dê com a testa no chão. A nossa geração tem uma relação muito complicada com o compromisso, e quando alguém como eu entra no que quer que seja com o grau de dedicação e entrega com que eu entro, acaba por assustar e afugentar a outra pessoa. Não sei, se calhar devia aprender a guardar alguma distância e a não me entregar tanto. Manter as coisa mais físicas e superficiais, mas isso não sou eu. Acho que sou um romântico por natureza, e não consigo deixar de apaixonar-me constantemente. No dia em que eu perder esta paixão pela vida e pelas pessoas, também acho que deixo de ser eu. Há tempos um amigo disse-me uma coisa com a qual não posso concordar mais: Isto de termos conquistado, na nossa geração uma série de liberdades individuais, quer a nível emocional quer sexual, que nos permitem assumir as mais variadas formas de amor e de relações, faz com que as pessoas comecem a confundir aquilo que podem fazer (porque a sociedade assim o permite e o quer) com aquilo que querem fazer, e acabam por viver vidas e relações que acham ser as certas, apesar de no fundo não serem as que as fazem verdadeiramente felizes.

Marta Martinho, 27 anos, em Barcelona

Faço parte da geração Erasmus e como resultado estou também numa relação Erasmus que já dura há 7 anos. Apesar de no meu caso ter corrido bem e termos aguentado dois anos e meio à distância, acho que hoje em dia é tudo de “usar e deitar fora” e nem as relações se livram. Relações fazem-se e desfazem-se num só dia. Vejo poucas pessoas da minha idade a lutar para manter uma relação e dispostas a sacrificarem algo por ela. Penso que as relações dos pais têm muito impacto em como nós próprios encaramos as nossas. E somos filhos de muitos divórcios. Por outro lado, a culpa do “fazer e desfazer” não é só desta geração. Existe uma pressão enorme da sociedade para casar e ter filhos. E muitos casamentos acontecem porque chegou a idade e estamos com determinada pessoa. Não interessa se é a pessoa certa e se estão a agir racionalmente.

Ana Ribeiro, 23 anos, Santa Maria da Feira

Namoro há 5 anos, com uma pessoa que é só meu namorado, mas principalmente meu melhor amigo. Acho que a minha geração perdeu toda a fé que tinha no amor, essencialmente, porque a palavra AMOR foi-se vulgarizando. As pessoas associam o amor a algo que nos tira a liberdade, que nos compromete e ‘acorrenta’ a alguém. Na verdade o amor é uma forma de liberdade. Penso que a minha geração aprecia mais coisas fugazes, com muita paixão e desejo, ao invés de apreciar o amor. Dessa forma evitam apaixonar-se verdadeiramente por alguém. E contra mim falo, que quando era mais nova, pensei mesmo que nunca ia conseguir dedicar-me e amar alguém, nem achava possível que alguém pudesse gostar tanto de mim. Até que um dia, o meu atual namorado, apareceu na minha vida e me mostrou que afinal se pode amar alguém à primeira vista e que o amor pode ser, verdadeiramente, libertador. E, se tivermos a sorte de namorar com uma pessoa que para além de tudo é o nosso melhor amigo, melhor. O amor permitiu-me ser quem sou de verdade e ensinou-me a não ter mais medo de arriscar. Isto é como suspirar de alívio. Para além disto, o conhecimento do amor começa desde muito cedo, nos pequenos gestos, nas pequenas atitudes. No meu Instagram eu costumo utilizar um “hashtag” que diz muito sobre mim e sobre o que penso do Amor: #loverulesmylife. Se não for assim, não vale a pena.

Catarina, 22 anos, Porto

Acho que, primeiro de tudo, é importante dizer que, como a nossa geração é uma geração de transição, há toda uma versatilidade de perceções sobre o amor. Não percebo de onde veio a cena de termos medo de nos comprometermos. A nossa geração tem coisas excelentes e visões muito boas, mas para outras, parece que regredimos.

Acho que já não há aquela pressão por parte de pais e familiares a teres os teus vinte anos e a teres de encontrar o amor da tua vida e casares logo. Mas agimos como se fosse assim. Acho que tentamos evitar o amor, evitamos sentir o amor, como se fosse uma doença. É cliché dizer isto, mas o amor é das coisas mais bonitas de sempre. E não falo só do amor romântico, falo de todo o tipo de amor: o amor que tens pela tua mãe, pelo teu cão, pelos teus amigos. Somos movidos pelo amor todos os dias e se pararmos e pensarmos isso não nos mata, não nos faz mal. Acho que também uma das ideias romantizadas do século passado e que nos foi passada em crianças pelos nossos pais e também pela sociedade (todos os santos filmes da Disney) é que só tens um grande verdadeiro amor, um único amor da tua vida. Isso é tão mentira e tão triste pensar assim. Não acredito nada na história de só teres um amor verdadeiro na vida. Tudo que gostamos verdadeiramente e a que dedicamos o nosso tempo e dedicação é um amor. E acho que é assim que a nossa geração tem de começar a pensar, a deixar de ver o amor como uma cena altamente complexa, como um monstro que só nos vai fazer mal e como que uma coisa reduzida ao romantismo. Devemos simplesmente senti-lo e ver como é tão simples. Nós temos a mania de o complicar e encontrar defeitos nele. As pessoas é que têm defeitos, o amor é perfeito.

Filipe, 25 anos, Porto

Acredito no amor, já o vivi e sei que um dia  vou voltar a viver, mas é um sentimento que traz consigo um mar de mudanças que não sei se estou pronto para voltar a enfrentar. Quando se é (mais) jovem é mais fácil amar porque as responsabilidades são menores e os planos de vida não são tão concretos, não estão tão definidos. Como existe uma indefinição em tudo, ter uma relação à volta do amor é mais fácil. Mas acho que agora, muitos de nós tentam fugir dele e, é com pena que o digo, mas eu sou um deles. Consigo deixar a paixão entrar, mas o amor, o sentimento mais forte, não. Existe tanta coisa que quero fazer, tantos objetivos para cumprir, que se encontrasse o amor, sei que iria pôr menos força nessa concretização. Não sei se é um problema meu, mas a verdade é que com o amor, passo a pensar por dois, cria-se uma união e acabo por mudar a minha perspetiva acerca de muitas coisas. Por isso é que acho que era mais fácil amar no tempo dos meus pais, os objetivos profissionais eram atingidos com mais facilidade e velocidade, o que eliminava toda este foco exagerado que hoje temos de colocar na vida profissional.

Rita Azevedo, 24 anos, Maia

Eu amo muito, gosto de amar. Apaixono-me diariamente por quem conheço e por quem passo a conhecer. Os seres humanos são fantásticos, excitam-me. E quanto mais livres, mais loucos, mais destemidos e mais maravilhosos forem, melhor. A cada viagem que faço perco-me de amores e o melhor é que continuo sempre apaixonada seja aqui ou na China, e os meus amores continuam pelo mundo. São “relações curtas”: meses, semanas ou até dias. Mas a intensidade com que acontecem não permitem que se apaguem da memória e muito menos, do coração. Porque são amor. E o amor não se mede em dias, semanas ou meses. O amor são momentos de partilha e de cumplicidade. Não sou, de todo, uma especialista em relações. No entanto, muitas das relações que tenho vindo a observar na minha geração baseiam-se, na minha opinião, em relações de comodismo, tentativas de possessão e em pouco contentamento. E eu esforço-me muito por entender a carência humana, essa necessidade de estar numa relação e deixá-lo bem claro nas redes sociais. Não sei, talvez eu esteja errada em relação a tudo isto a que chamamos de amor mas…que assim seja então. À parte isso, eu tenho um parceiro insubstituível. Ele respeita-me e eu respeito-o, eu sou fiel a ele e ele é fiel a mim. Chama-se Ary, é o meu cão.

Maria, 25 anos, Porto

Gosto muito da relação que tenho agora, apesar de nada ser perfeito. Gosto principalmente porque quem está comigo é meu amigo, antes de tudo o resto.

Essa base de amizade ajuda-me a ultrapassar muitas questões de confiança que surgiram da minha última relação. Hoje consigo estar tranquila. Relativamente aos dias que se vivem, pelo que vejo à minha volta e pela minha experiência pessoal, acho que se confunde muito o amor com luxúria e com o ego. Na realidade, o amor representa capacidade de sacrifício, bondade, perdão, paciência. É diferente da paixão. Hoje em dia há um grande problema na sociedade: o consumismo. E acaba por se refletir nas relações entre as pessoas, tudo é descartável e tudo é substituível. Por um lado é bom, porque antes as mulheres podiam ser mal tratadas e não podiam dizer nada. Por outro lado fez com que os humanos em geral ficassem mais egocêntricos e não tão concentrados em fazer bem aos outros, mas a si mesmo. Há sempre exceções, nunca é fácil amar alguém

e se pensas muito no assunto, não o fazes.É preciso acreditar no melhor resultado possível e isso é difícil numa sociedade tão cética. O mais complicado de aceitar, na minha opinião, é que ninguém é perfeito (inclusivamente nós próprios), e que por esse motivo não podemos exigir a perfeição de ninguém.Todos cometemos erros.

As pessoas que permanecem na nossa vida são aquelas que nos perdoam e nos aceitam apesar disso.

António, 22 anos , Lisboa

O amor está mais instantâneo. Mais rápido para acontecer e se desvanecer. É passageiro. Acho que preferimos a experiência momentânea e a aprendizagem com certa pessoa do que viver numa relação que, à partida, sabemos que vai acabar cedo por “n” razões. O amor está como o consumo hoje: é de massas e fácil de descartar. E as pessoas têm mais mágoas também. Estão mais danificadas. Acho que não vamos ser uma geração com muitos divórcios porque vamos ser uma geração com pouquíssimos casamentos e a figura da união de facto vai ser uma realidade ainda maior.

Diana Lima, 26 anos, Porto

Apanhei a moda das miúdas que diziam que nunca iam casar, ter filhos e mudar a vida por alguém e acabei a fazer exatamente o oposto. Depois de algumas relações sem muito significado, conheci uma pessoa que mudou a minha perceção do amor e do que é estar numa relação. Fez-me deixar o conforto do meu lar e família para mudar-me para outro continente para viver com ele. O mais engraçado é que reparo em muitas pessoas da minha geração que diziam o mesmo que eu e agora também estão em relações felizes, muitos com filhos e bem antes dos trinta. Parece que o amor é uma coisa “transgeracional”, por muito que mudem os tempos o sentimento é sempre o mesmo.

Alexandra, 22 anos, Resende

Namoro há quatro anos, mas gosto do meu namorado há 10. Vivemos juntos há três anos porque estudamos os dois no Porto, mas somos de Resende.

Muita gente diz “tão novos para vida de casados” mas a verdade é que somos principalmente “companheiros” um do outro e mantemos a nossa independência. Sei que casar não quero, porque não acho que precise de uma festa ou de uma cerimónia para basicamente dizer ” pertenço aquela pessoa” que no fundo é o conceito base de um casamento e, na minha opinião, só torna as pessoas mais comodistas, fazendo-as acreditar que o amor é garantido. Antigamente as pessoas casavam sem nunca saberem como era partilhar o mesmo espaço. Tenho 22 anos e sei que não vou ter surpresas aos 28 em relação a isso, porque vivermos juntos. Já conheço os lados mais bonitos e mais negros disso. Não quero com isto desvalorizar ou desrespeitar todos os casamentos que já assisti e espero assistir mas, para mim, nada ia acrescentar. Não preciso de dizer ao mundo numa igreja que o amo, porque toda gente já o sabe. Em relação a ter filhos, é algo que penso com carinho, mas daqui a muitos anos, a minha prioridade neste momento é sem duvida a minha carreira profissional e aproveitar tudo ao máximo enquanto posso.

Gonçalo Carvalho, 22 anos, Santo Tirso

Neste momento, encontro-me numa relação. Não posso dizer que namoro porque ainda não fiz o pedido de namoro, sinto que talvez já o pudesse ter feito, mas por respeito ao que se passou com a pessoa com quem estou não o fiz. É claro que as vezes acho um bocado frustrante esta situação porque sinto que estamos a avançar bem, no entanto algumas vezes esses pensamentos passados vêm ao de cima e então percebo que a hora de fazer o pedido ainda não chegou. Creio que há muitos valores intrínsecos numa relação, tal como a humildade, sinceridade e respeito e sei que quando estás com uma pessoa que te respeita e que te ajuda a seres melhor sem fazer pressões acho que vale a espera. Sei que estas coisas parecem um bocado antiquadas relativamente ao tempos em que vivemos, em que a maior parte das pessoas quer ter relações sem compromisso ou ter várias pessoas com quem sabe que pode ir ter para poder aproveitar ao máximo, o que é compreensível porque há imensas mulheres lindas, no entanto acho que o amor precisa destes momentos “mágicos”, pois se te encontras numa relação, também deves pensar na outra pessoa. Apesar de tudo, para estarem numa relação é porque a outra pessoa também poderá pensar em ti. Acho que atualmente há muitas pessoas que após uma relação procuram logo outras pessoas, muitas para não estarem “paradas”, outras porque necessitam de alguém ou mesmo para tentarem esquecer a outra pessoa, no entanto acho que após uma relação longa é sempre necessário um tempo para ultrapassar tudo, quer seja a apoiar-se nos amigos, quer seja a refletir para estar disposto a voltar a amar realmente, que sinceramente é uma coisa que se cada vez se vê menos.

Mafalda Sousa, 25 anos, Leicester, Reino Unido

Numa relação há quatro anos, um dos quais passado à distância. O amor, ainda que escasso, existe. Amor é chegares a casa após um dia cansativo no trabalho e teres alguém que, também exausto, está pronto para te ouvir e receber num abraço. Amor é saber ceder e adaptar. Amor é isto, aquilo e tudo o resto que tu quiseres, que te faz feliz e que faz o outro feliz também! Digo “escasso” pois, na minha opinião, hoje em dia com a ajuda das redes sociais é muito fácil conhecer-se pessoas. Tal facilidade faz com que as pessoas desistam face às adversidades da relação num piscar de olhos, sem tentar resolver o problema, conversando e discutindo. Porque amor não é só coisas bonitas. Amor é luta e conquista.

Inês Rodrigues, 25 anos, Porto

Encaro o amor, neste caso as relações amorosas, muito a sério. Sou do tipo muito lamechas numa relação, gosto de dar tudo o que tenho, partilhar e entregar-me de corpo e alma (sei que é um pouco clichê, mas é o que sinto quando gosto realmente de alguém). Penso também que existem várias formas de amor e várias formas de o demonstrar. Não só o amor romântico, que sentes normalmente em relação a um namorado, porque nesse tipo de ralação também existe a parte sexual (ou não em alguns casos), mas o amor que sentes por alguém que te é próximo e muito especial para ti como, por exemplo, um amigo. Quando não vives sem a presença daquela pessoa, ou quando não aguentas o facto de não partilhar as novidades ou o teu dia-a-dia com essa pessoa, entendo que também seja uma forma de amor tanto, ou ate mais importante que o amor romântico. Na minha vida, já sofri alguns desgostos amorosos por culpa de vários fatores, mas principalmente devido à minha personalidade. Não posso achar que as pessoas vão estar sempre lá para mim como eu faço com elas. Mas penso que esses desgostos nos fazem crescer e aprender. Fazem mesmo parte de uma vida normal. Neste momento estou numa relação e estou muito bem. Penso que o truque é encontrar alguém que te perceba, não te oprima e que goste de ti como tu és. No que toca a como a nossa geração encara o amor, penso que as redes sociais e todas as aplicações associadas a encontros, fizeram com que o romantismo de antigamente desaparecesse. Agora é tudo muito rápido e fugaz na maior parte dos casos, pelo menos é essa a minha perceção, mas acredito que muita gente seja feliz assim.

Joana Rôxo, 25 anos, Porto

Estive numa relação até ao mês passado.

Ele nunca aceitou que eu não quisesse ter filhos e achei melhor não casarmos

Não acredito no amor romântico. Detesto flores e prefiro ser eu a comprar as minhas coisas. Detesto surpresas, sou prática demais. Os conceitos de romantismo, na minha opinião, surgiram quando a religião apoiou a monogamia. Não acredito que os humanos sejam monogamicos. É raro alguém concordar com isto, ou então acham que somos pessoas promíscuas. Quanto a mim, gosto de alguém que seja amigo muito antes de namorado.

Carolina, 24 anos, Resende

Namorei muitos anos com aquele que pensava ser o tal, mas fui traída e por algum tempo deixei de acreditar no amor. Pior do que isso, deixei de acreditar em mim. O tempo passou e fui-me apercebendo de que aquilo não era amor, não era verdadeiro pelo menos. Então conheci o meu namorado, aquele com quem hoje vivo e muita coisa mudou. Primeiro comecei a ter amor-próprio que acho ser das coisas mais importantes numa relação, todos devem saber o que valem e terem valores, porque na nossa geração parecem-me muito egoístas e não sabem respeitar a liberdade do outro, bem como as suas escolhas. A maior parte dos jovens quer colecionar relações e bens materiais, eu prefiro colecionar os momentos que passo com a pessoa que amo. Outros preferem não sentir, ou fingir que não o sentem, por causa das atitudes que referi antes. Todos vemos o amor de diversas formas e o amor que sinto agora é o melhor para mim, é aquele que me faz sentir livre e segura ao mesmo tempo, aquele que não me deixa dependente de nada nem ninguém e sinto-o pela pessoa com quem vou casar para o ano. Encontrei o meu amor verdadeiro.

Renato Vilas Boas, 25 anos, Vila Nova de Cerveira.

Nunca estive numa relação a sério. Acredito no amor, e até agora não desisti de encontra-lo, mas não acho que vai ser o destino que faça que ele apareça caído do céu, mas sim conhecendo pessoas, sendo eu mesmo a procura-lo. Contudo, já me apaixonei, 3 vezes para ser exato, e foi bastante difícil passar a página. O tempo cura tudo e conhecer novas pessoas também ajuda. Quanto à nossa geração, obviamente está mais virtualizada, não podemos evitar não é? Mas não acho que esteja mais fraco que o dos nossos pais e avós, nem que tenha perdido a essência, ainda sabemos ser românticos mas à nossa maneira, não é mau, só diferente. Atrevo-me a dizer que as redes sociais e a web ajudaram as relações de longa distância. Já imaginaram os nossos avós a trabalhar em diferentes países a fazer video chamadas? Atualmente a minha vida é bastante caótica, acabei de me graduar, saí da cidade onde vivia já há 6 anos e vou estar uns meses em outra totalmente desconhecia a estudar para o exame de especialidade médica, para seis meses depois ir sabe-se lá onde. Conclusão, não dá para pensar muito no tema amoroso.

Daniel Mateus, 29 anos, Santarém

A meu ver o amor é uma utopia que nunca é alcançável. Penso que o critério para as pessoas estarem juntas passa por questões de ordem material ou para obter alguma vantagem. Esta geração encara o amor consoante os seus interesses pessoais ou para obter aprovação social. Sou solteiro e não estou em nenhuma relação porque as pessoas são desinteressantes. Prefiro estar só.

Flavius, 25 anos, Roménia

Recentemente numa só semana três das minhas ex namoradas anunciaram noivado ou casaram-se enquanto eu viajava. Os meus pais sempre me disseram que nasci com uma mochila presa às costas. Cresci numa família dona de uma agência de viagens e desde jovem, assumi a condição de viajar sozinho, sem parar, sempre em movimento. Estudei na Dinamarca, na Roménia e em Portugal e no entretanto visitei mais de 50 países. Às vezes dou por mim a esquecer-me da minha nacionalidade. O meu estilo de vida contem, em primeiro lugar, o facto de estar sempre mentalmente e profissionalmente preparado para uma oportunidade e, em segundo,  saltar sempre numa piscina de projetos globais agarrando a maior parte dos que se relacionam comigo. Às vezes sinto que me identifico como um cidadão do mundo, um pescador de oportunidades. Mas nem tudo são rosas e claro que para mim há um esforço e uma luta constante no campo do amor.

Como as minhas localizações mudam, com elas mudam as minhas parceiras. Já tentei relações à distância, mas todas acabaram com o mesmo nível de frustração. Vou vivendo relações temporárias mas intensas, ou apenas encontros fugazes com gente que conheci no Tinder nos lugares onde ia passando.  Agora encaro o amor como o jogo do rato e do gato. Sinto-o por uns instantes e depois tenho de o deixar ir. Às vezes ainda me volto a conectar mas só por uns instantes, o que me faz apreciar mais cada momento. Fez-me sentir parte do “Good Luck Chuck” em que era sempre o último parceiro antes de uma mulher decidir assentar. A verdade é que de Chuck tenho pouco, mas de sortudo, não posso negar.

Jani, 24 anos, Ermesinde

Cresces a aprender a amar de diferentes formas. O amor de uma união familiar, o amor da amizade. Mas um dia alguém entra na tua vida e te mostra que podes ainda amar de outra forma diferente. Alguém que faz chegar a ti uma sensação de porto seguro. Que te mostra que algo de diferente existe. A pessoa que te faz sentir especial e não sabendo bem qual a razão, te faz sentir que é dela que estavas à procura. Mas não basta sentir. Amar não é assim fácil. Acho que só se aprende a amar de verdade quando tens de passar obstáculos, quando tens de lutar e todos os dias reconquistar. Cair na sensação de “adquirido” é muito fácil. E aí tudo começa a fraquejar. Amas quando tens vários motivos para desistir mas, ainda assim, arriscas tudo para não o fazer. E a distância? Falar da distância não é fácil. Podemos pensar “quando se ama tudo se supera e tudo se consegue”. Mas também “quando se ama fica muito mais difícil porque queres é ficar junto a essa pessoa”. Aí colocas-te à prova. Ou aguentas ou não. É preciso lutar. E é em cada despedida, em cada reencontro que sentes e o coração te diz se vale a pena. É a comunicação, é a sinceridade e lealdade. É o esforço. É ao superar cada dia, que sentes que vale a pena. E é ao sentires a recompensa e o esforço do outro lado que recarregas baterias para uma nova guerra. Mas tens de sentir que não estás nunca a lutar só. Uma relação à distância é como darem-te um rebuçado e voltarem-to a tirar. Mas aprendes a valorizar cada pedaço, aprendes a dar importância àquilo que realmente é fundamental. Só tens de saber que nada é fácil e que tudo exige esforço e sacrifício na esperança que, por detrás desta montanha, algo de maravilhoso estará para vir. E acima de tudo acreditar, porque o mais fácil é desistir.

Clara, 27 anos, Lisboa

Eu acho que o amor é mais uma questão de “timing” de outra coisa qualquer. No sentido em que não acredito que se tenha um amor único,”o tal”. O amor é sempre maior e multiplica-se. Pode-se sim amar mais do que uma vez na vida, e nunca é o mesmo. Se pensarmos no amor no sentido familiar isto faz sentido, porque não há-se fazer sentido nas relações amorosas? Há muito amor para dar.

Outra coisa que aprendi é que o amor vem dos sítios menos inesperados, é algo que cresce em nós. Embora ache que se deve ter alguma perseverança, penso que o amor nunca poderá ser dor. O amor é muitas vezes confundido com outras coisas e isso é triste porque deixa as pessoas com uma noção que o amor é sofrido, quando na verdade o amor é que aquilo que nos move. Eu conheci o Mo em Erasmus, assim que o conheci demo-nos logo bem e quando descobri que gostava dele foi horrível: faltavam dois meses para eu regressar a Portugal e era uma relação com data de validade. No entanto não dava para fugir porque eu gostava mesmo dele e começámos a namorar assim sem nada muito fixo. Até que em setembro desse ano ele veio a Portugal e decidimos tentar uma relação à distância. Estamos juntos há 5 anos e eu não me arrependo de ter ido atrás do que sentia. Muitas pessoas acham-se no direito de dizer que uma relação à distância não tem hipótese mas quando se ama, o que se há de fazer?

Não é fácil lidar com isto, ele vive na Alemanha e eu em Portugal mas vemo-nos mês sim mês não. Falo com ele todos os dias, mais tempo do que possivelmente falaria com alguém que vivesse comigo. Quando estamos juntos é tão bom que nunca se quer pensei em acabar com ele só pela distância. Muita gente pergunta: como é que tu não és ciumenta tendo uma relação à distância? A questão nem se coloca, quem quiser trair pode fazê-lo mesmo dividindo a mesma casa. Por isso, eu estou com ele porque acredito nele. Pode ser um ato de fé, mas não é isso o amor? Um enorme ato de fé sobre o sentimento que temos pelo outro?

Continuando, eu gostava muito de ir viver com ele e estamos a fazer o possível.

Posso ser um bocadinho ingénua mas eu acho que é o amor que temos pelos outros e que recebemos em troca que nos faz tentar ser melhor.

Acho que muitas destas regras entre os casais vêm de imagens super romantizadas da literatura e do cinema. Mas se virmos bem tem lógica: as relações por amor antigamente eram escassas, casar por amor é uma coisa recente na História. Antigamente havia falta de liberdade e agora estamos numa fase entre conceitos muito estritos e tempo passado suficiente para por essas “regras” de género e tudo mais em causa para questionar o que se espera do amor e das relações.

Artigo escrito por Ana B. Carvalho, publicado no nosso parceiro jornal i

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS