“O neoliberalismo está muito ligado à ideia de que não há alternativa”

2 JULHO, 2017 -

O ano é 2015. Numa reunião do Eurogrupo, Wolfgang Schauble, ministro das finanças Alemão, profere uma frase que virá a ficar célebre: “Eleições não podem interferir com as políticas económicas que estão a ser aplicadas na Grécia!”

Momentos como este sustentavam a narrativa daqueles que se opunham ao sufoco que as políticas neoliberais começavam a causar pela Europa fora, de que o neoliberalismo saturava e testava os limites de uma Democracia, e de que tentava dizer que não havia alternativa.

Hoje, a hegemonia neoliberal começa a estalar. Fogos, chamados de “populistas” acendem-se pela Europa, e os EUA já embarcaram na viagem. O Reino Unido está fora da UE. Marine le Pen esteve na 2a volta das presidenciais Francesas. O Movimento 5 Estrelas lidera em algumas sondagens em Itália. Tudo isto tem feito soar os alarmes na ordem neoliberal, reacendendo debates que há muito se julgavam extintos.

Mas afinal o que é o Neoliberalismo? Em que assenta? Quando começou? Porque é que há um “neo” antes de “liberalismo”? Veio para ficar? Não temos mesmo alternativa? A solução está nos populistas?

Num momento crítico na Europa, e no mundo, saídos de décadas de um consenso à volta das ideias neoliberais, quisemos escrutiná-las e não nos ficar pelos chavões. Não quisemos também deixar de analisar o recente impeto populista, e perceber como responde ao neoliberalismo.

Falámos sobre tudo isto com a Regina Queiroz, doutorada em filosofia política e professora na Universidade Lusófona.

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

O que vais ouvir, ler ou ver foi produzido pela equipa do É Apenas Fumaça, um projeto de medi

O que vais ouvir, ler ou ver foi produzido pela equipa do É Apenas Fumaça, um projeto de medi

O que vais ouvir, ler ou ver foi produzido pela equipa do É Apenas Fumaça, um projeto de medi

A 27 de Dezembro de 2016, na capa do jornal Público lia-se escrito a vermelho e a amarelo: "O que