O dia em que Bono cantou só para o Pai

31 OUTUBRO, 2016 -

“Tough, you think you’ve got the stuff
You’re telling me and anyone
You’re hard enough”

A morte do Pai é um acontecimento marcante na vida de qualquer um.  Só quem passou por isso o pode descrever. Uma vez, e a propósito deste acontecimento, António Lobo Antunes disse: “o Pai é algo que está entre nós e a morte”. Para complementar, descreveu ainda que “quando o meu Pai morreu, percebi que quando a morte viesse bater à porta, tinha de ser eu a ir abrir”. A relação que tinha com este era de amor e ódio, como muitas vezes acontece, quer pela autoridade na tomada de decisão, como também pelas diferenças de opinião em assuntos pessoais.

“You don’t have to put up a fight
You don’t have to always be right
Let me take some of the punches
For you tonight”

As grandes músicas vêm de sentimentos profundos, em muitos casos de perdas irreparáveis, injustiças cruéis, amores dolorosos,  momentos de solidão profunda e de incompreensão; o tipo de problemas comuns a todas as gerações que mantêm essas músicas vivas, muitas vezes pelo sentimento de compreensão e conforto. Todas estas contam uma certa história.

“We fight all the time
You and I…that’s alright
We’re the same soul”

Em 2001, Bob Hewson, Pai do vocalista dos U2, partiu. A relação entre estes foi marcada por muita tensão. Este acontecimento trágico acabou por surgir numa altura em que os dois estavam mais próximos do que nunca. Bono conta que o Pai lhe dizia para não sonhar, caso não se quisesse desiludir. Ele via o filho com grandes ideias, mas sem as meter em prática. Perceber o quão importante é o lado prático dos sonhos mudou a sua vida e a nossa também, que podemos desfrutar das músicas que nasceram fruto dessa dedicação.

“And it’s you when I look in the mirror
And it’s you when I don’t pick up the phone
Sometimes you can’t make it on your own”

Foi neste contexto que nasceu a música “Sometimes you can’t make it on your own” que Bono escreveu para os U2. Esta é inteiramente dedicada ao Pai, que gostava de cantar Ópera e que, por isso, foi cantada pela primeira vez no funeral. Nesta música, podemos encontrar um retrato do mesmo mas sobretudo um da maneira difícil como tudo acontecia entre eles.

“Sing, you’re the reason I sing
You’re the reason why the opera is in me…”

Em 2006, ganhou o Grammy de “Song Of The Year”, mas, mais importante do que isso, foi o vocalista dos U2 estar convicto de que o seu Pai gostaria da mesma. O videoclip começa com uma mensagem muito pessoal: “My father worked in the post office by day and sang opera by night. We lived on the north side of Dublin in a place called Cedarwood Road. He had a lot of attitude. He gave some to me – and a voice. I wish I’d known him better.” Há quem diga que este vídeo foi o mais difícil de gravar para a banda. Assim foi enquanto Bono não conseguia parar de chorar.

“A house still doesn’t make a home
Don’t leave me here alone…

Texto de Pedro Fernandes
Fotografia de The Mirror

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS