‘Not in This Lifetime’: como tem sido a reunião dos Guns n’ Roses?

11 ABRIL, 2016 -

Tem sido o evento musical do ano, e um dos mais importantes da década. Trata-se da reunião de Guns n’ Roses (ou de três dos membros de Guns n’ Roses), que parecem ter esquecido todos os maus sentimentos e problemas que os levaram a por um ponto final na emblemática banda de Hollywood em 1993. Sim, é verdade que tecnicamente a banda de nome Guns n’ Roses continuou a tocar, com um alinhamento bastante diferente e existiu mesmo um novo álbum, de nome ‘Chinese Democracy‘, mas os fãs de Slash, Izzy e Duff nunca viram em DJ Ashba, Buckethead ou Tommy Stinson suplentes dignos, e com alguma razão. Apesar de todos serem músicos geniais, o último álbum no geral (apesar de conter algumas grandes músicas) deixou algo a desejar e a identidade sex, drugs and rock n’ roll foi deixada para trás em detrimento de uma banda mais profissional e sem pontas soltas, onde em todos os concertos todas as notas eram tocadas bem, mas faltava algo de imprudente, algo de Slash. Para deleite dos fãs, há poucos meses foi confirmada uma reunião dos Guns n’ Roses de ‘Appetite for Destruction, mas o alinhamento concreto, apesar de ter sido alvo de muita especulação, não ficou confirmado até há poucas semanas. Deixando para trás os dois bateristas que pertenceram ao início da carreira de Guns n’ Roses para trás (Steven Adler e Matt Sorum), assim como um dos cérebros da banda, Izzy Stradlin, ou mesmo o homem que o substituiu no início dos anos 90 para acompanhar Slash, Gilby Clarke, esta reunião faz-se apenas de Axl Rose, Slash e Duff McKagan. Frank Ferrer (bateria) e Richard Fortus (guitarra de ritmo) foram os membros da era ‘Chinese Democracy‘ que se mantiveram na banda para esta tour de reunião. Dizzy Reed, o pianista original da banda, é o único membro à parte de Axl Rose que nunca saiu da banda. Foco especial também merece a segunda pianista Melissa Reese, que é assim a primeira mulher com intrumento nas mãos a pertencer à banda. As outras únicas mulheres que tinham já subido a palco com Guns n’ Roses foram o coro que os acompanhou durante as tours dos álbuns da formação original.

E como tem corrido esta reunião? Fora alguns precalços, bastante bem, curiosamente. Axl Rose e Slash parecem nunca ter estado separados, e tem sido nada menos que mágico voltar a ver a Gibson Les Paul do guitarrista a tocar temas como ‘Welcome to the Jungle‘, o tema do filme ‘O Padrinho‘ ou ‘Civil War. À setlist ‘normal’ destes três concertos que os músicos já tocaram, têm sido adicionadas algumas surpresas, como covers de ‘Wish You Were Here‘ ou ‘Layla‘, de Pink Floyd e Eric Clapton, respetivamente. Após o primeiro concerto no Troubador (primeiro bar onde os Guns n’ Roses tocaram originalmente) para 250 pessoas, concerto que foi uma surpresa para os fãs, Axl Rose partiu um osso do pé e é já o segundo músico no espaço de meio ano a tocar num ‘trono’ por não se poder movimentar, após Dave Grohl, vocalista dos Foo Fighters. Curiosamente, Axl Rose confessou ter pedido ao ex-baterista dos Nirvana esse trono emprestado, e em algumas fotografias é bem visível o logótipo de Foo Fighters na parte central do trono.

Algo que também merece destaque é o facto de este alinhamento da banda tocar alguns temas do álbum ‘Chinese Democracy‘, nomeadamente ‘This I Love‘ ou ‘Better. Isto é prova viva de que nem tudo o que saíu de ‘Chinese Democracy’ foi mau, e o facto dos dinossauros Slash e Duff McKagan se disponibilizarem para tocar estes temas confere mais alguma credibilidade e, esperemos, aceitação em relação a um álbum que apesar de ter falhas está longe de ser mau.

DSC00419

Resumindo, tem sido uma reunião pacífica tanto em cima do palco como no público, sem muitas loucuras. Sebastian Bach (Skid Row) foi convidado especial de Axl Rose para com ele cantar o tema ‘My Michelle‘ no concerto de anteontem no T-Mobile Arena em Las Vegas, onde os Guns n’ Roses tocaram duas noites seguidas, dias 8 e 9 de Abril. O que se segue para a banda de ‘November Rain‘ são dois concertos no Coachella Valley Music & Artist Festival, dias 16 e 23 deste mês, cruzados com dois concertos na Cidade do México a 19 e 20 do mesmo mês. Após isso, Detroit será palco para o início da tour norte amerticana da banda, a 23 de Junho. Nesta tour, Guns n’ Roses passarão por cidades como Washington, Chicago, Philadelphia ou Orlando, entre muitas outras. Será este o maior evento musical da década? Para os fãs de Guns n’ Roses, certamente que sim.

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

A já histórica banda australiana AC/DC começou ontem a tour europeia no Passeio Marítim

Axl Rose aproveita agora um período de fama como há muito não conhecia: após ter reunid

Quase não dá para acreditar, mas vai mesmo acontecer! Axl Rose regressa ao be