Miguel Torga, o lírico das serras

12 AGOSTO, 2016 -

A partir da expansiva vegetação e das extensas formas de vida das serras transmontanas, deu-se à luz Miguel Torga. Pseudónimo de Adolfo Correia da Rocha, Torga deu origem a um corpo de escrita inspirada e referente à coesão entre o ser humano e a natureza, coesão essa que se diluiu. Foi na urgência de a retomar que Torga nunca se coibiu de expressar com um lirismo pouco habitual para um médico de profissão. As obras escritas e deixadas para as seguintes gerações tornaram-se incontáveis, tais como as espécies das tão suas serras do norte de Portugal.

Nascido em São Martinho da Anta, no distrito de Vila Real, a 12 de agosto de 1907, cedo emigrou para o Brasil, onde trabalhou na fazenda do seu tio desde os 13 até aos 18 anos. Esta precoce viagem e estadia foi motivada pelo desgosto nutrido pelo jovem enquanto frequentava um seminário católico. Filho de um casal de lavradores, já havia exercido a função de moço de recados na cidade do Porto, à distância de uma viagem de comboio com o Rio Douro à vista.  Na sucessão desta experiência, nasceu uma parte substancial da sua série autobiográfica “Criação do Mundo” (1981-2000). No seu regresso, e com o aval financeiro do seu emigrante tio, ingressa na Universidade de Coimbra para estudar Medicina e, na convivência com outros alunos, colabora na revista Presença (1927-1940) com escritores como José Régio, Fernando Pessoa, Vitorino Nemésio, João Gaspar Simões ou Aquilino Ribeiro.  No entanto, e em 1930, assina com Edmundo de Bettencourt e Branquinho da Fonseca uma carta de dissensão e funda com estes as temporárias “Sinal” (1930) e “Manifesto” (1936). Em paralelo com esta atividade cooperativa, e ainda assumindo o seu nome real, desenvolveu algumas coletâneas em que a tónica assenta no dramatismo retórico.

Assim, e para que se compreenda a sucessão dos passos seguintes da vida e obra de Torga, importa compreender o pseudónimo assumido por este. O nome “Miguel” associa o autor a uma corrente de nomes espanhóis de vulto, tais como Miguel de Cervantes ou Miguel de Unamuno, cujo trabalho privilegiava os valores da identidade espanhola e essa apetência para o pensamento ousado, humanizado e irreverente. Já o apelido “Torga” refere-se à raiz da urze, arbusto belo e firme que providenciam um modelo para o autor seguir na sucessão da sua realização. Este apontamento imprime também a importância para o português da consistência e do respeito pelas origens a manter perante a variedade e a relatividade dos contextos em que vive. Estes princípios líricos seguem explanados em várias obras do repertório de Torga, tais como:

  • “Lamentação” (1934),
  • “O Outro Livro de Job” (1936),
  • “Libertação” (1944),
  • “Odes” (1946),
  • “Nihil Sibi” (1948),
  • “Cântico do Homem” (1950),
  • “Penas do Purgatório” (1954),
  • “Orfeu Rebelde” (1958),
  • “Câmara Ardente” (1962),
  • “Poemas Ibéricos” (1965)

Numa fase em que era propícia a associação por parte dos autores a correntes literárias, Torga sempre se afirmou como independente a quaisquer uma destas. As suas composições poéticas revelaram-se desde cedo como estreitas em relação ao bucolismo da sua Natureza natal, para além de contemplar algumas reflexões existenciais e sociais sobre a justiça, a morte, o ser português e os seus vícios. Os primeiros segmentos da sua obra primavam desde já pela alusão à aliança entre o homem e a terra da qual o mesmo provinha, como solo e como natureza. Esta espécie de pretensão de alcançar o absoluto não se opõe, porém, à ideia de felicidade no relativo de Torga. O relativo dizia respeito à contradição, à luta no sentido de uma “esperança desesperada”. Nesse sentido, e para compreender a pluralidade de caminhos que poderiam ser seguidos, o registo assumiu uma via introspetiva e proativa perante a vida e a sua decorrência.

Chegando a uma das suas obras mais conotadas (“Bichos”, de 1940), assiste-se à composição em prosa de uma nova sociedade entre homens e animais, na qual todos os ideais advogados pelo autor saltam para uma realidade que revoluciona e impressiona toda a visão cultural nacional. De forma implícita, apresenta-se um apelo de transcendência do leitor, incentivando-o a regressar às origens do seu ser e à plataforma mais intrínseca da Natureza. A discussão das questões prementes da sociedade é catapultada pela pureza animal e pelas vicissitudes que esta possui no reverso da sua existência. Uma viagem que procura a ressurgência dos instintos na expressão humana, remetendo-o à posição de igualdade na Natureza e perante toda a sua fraternidade.

“Os poetas são loucos.
E poucos
Acreditam
Que a loucura
É o dom do eterno em cada criatura.”

Miguel Torga em “Flor Preservada” (excerto). Coimbra, 16 de Outubro de 1958

Também os dezasseis volumes de “Diário” (1941-1999) refletiram algumas das premissas dessa ótica tão sui generis do autor, cruzando também vários géneros e aspetos histórico-culturais, para além de notas adicionais tomadas nas suas viagens dentro do país. Já a intervenção cívica deixou-a para um tipo literário bastante profícuo nesse aspeto, sendo este o teatro. Torga compôs quatro peças onde reforçou de novo os seus ideais inovadores, pondo a sua figura em cheque perante o regime e levando-o a conhecer o sabor da proibição da publicação dos seus trabalhos. Tudo isto enquanto exercia medicina na especialidade de otorrinolaringologia numa clínica na região transmontana. No rescaldo da queda do Estado Novo, opunha-se à azáfama publicitária e ao bulício daí advindo, não obstante manifestar publicamente o seu apoio à candidatura de Ramalho Eanes à presidência da República. Como descendência, deixou uma filha de nome Clara, fruto do matrimónio que contraiu com a belga Andrée Crabbé. No final da sua vida, em 1993, Torga padece de cancro e parte dois anos depois, a 17 de janeiro de 1995. Ao lado do lugar onde jaz, reluz uma torga plantada e erigida em tributo à sua vida e à obra onde proclama a virtude dessas serras e das suas origens.

Miguel Torga exibiu-se como um dos nomes grandes da literatura portuguesa. Foi a sua singularidade que lhe conduziu o Prémio Camões (1989) e lhe proporcionou a nomeação a Prémio Nobel da Literatura por duas ocasiões (1960 e 1978). Uma unicidade que muito se debateu perante o melhor da vida e do país, do seu Portugal e das suas serras. A linguagem viva, colorida e espontânea com a qual redigiu grande parte das suas obras deu a oportunidade dos teóricos o associarem ao modernismo e ao presencismo inerente a este. Perante a presença, desejava ajudar e ser ajudado pelas suas serras em horas de produzir literatura. Era esta a medicação que trazia na mente para toda a humanidade, como médico de profissão que era. Na essência, trazia o humanismo a pulsar no verdejante das suas raízes. Um cantar poético e cósmico mas sem nunca prescindir da sinceridade que tão bem e tão oportunamente caraterizava a sociedade.

“Sobretudo, não desesperar. Não cair no ódio, nem na renúncia. Ser homem no meio de carneiros, ter lógica no meio de sofismas, amar o povo no meio da retórica.”

Miguel Torga em “Diário” (volume de 1947)

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

João Leitão da Silva nasceu na freguesia da Vitória, na cidade do Porto, a 4 de Fevereiro de 179

O cenário literário português alterou-se por completo com o surgimento de Fernando Pesso

No pós-25 de abril, novas prerrogativas surgiram para um povo que vinha sendo oprimido. Novos hori

Quando falamos de romantismo literário em Portugal, os nomes de Almeida Garrett e