‘Melodrama’, a viagem pela adolescência na voz de Lorde

21 JUNHO, 2017 -

Uma batida sonora irreconhecível que nos faz bater o pé, com uma pitada de emoção à mistura, transportando-nos para um mundo que nos é conhecido: a adolescência. É assim que Lorde nos apresenta “Melodrama”, o seu segundo álbum de estúdio, trazendo consigo uma nova identidade à musica pop.

Em 2013, Lorde tornou-se a revelação do ano, com o seu álbum de estreia “Pure Heroine”. Com apenas 17 anos, tinha o mundo a seus pés. Passados 4 anos, a cantora da Nova Zelândia lança um novo trabalho discográfico, com uma abordagem diferente do seu trabalho anterior. A cantora sai com os amigos, tem discussões com o namorado, vai às mesmas festas que nós e tem as mesmas crises existenciais. Ao longo de 11 faixas, a realidade está mais presente que nunca, pela voz profunda e íntima de Lorde. A batida dançante de “Green Light” dá início a esta viagem, por entre desgostos amorosos, festas e solidão; passando por “Liability”; terminando com as recordações de uma noite de procura incessante por “Perfect Places”.

Recuando um pouco no tempo, quando Lorde apareceu com “Royals”, não fiquei enternecida, não me chamou a atenção; tomava-a por mais uma Lana Del Rey. Quando os Arcade Fire vêm a Portugal em 2014, ao Rock In Rio, Lorde era uma das artistas que actuava nesse dia. Enganara-me redondamente, uma chapada de luva branca, como nunca tinha levado na vida. Durante a atuação, fui transportada para um mundo paralelo, onde os sonhos e a realidade cantavam em uníssono. Apaixonei-me por aquilo que estava a ver. Pure Heroine tornou-se, a partir dessa noite, um dos álbuns da minha vida. Melodrama segue o mesmo caminho.

É difícil o exercício de se encontrar uma música preferida, num álbum repleto de músicas de excelência. Lorde, ao unir forças com Jack Antonoff, criou melodias que nos tocam a alma e aquecem o coração. “Cause I remember the rush, when forever was us / Before all of the winds of regret and mistrust/ Now we sit in your car and our love is a ghost”; haverá algo mais poético que esta citação de “Hard fellings/Loveliness”, a sexta faixa de Melodrama? Tenho o álbum em rotação constante, e prevejo que vá continuar assim durante mais algumas semanas.

Os críticos já se pronunciaram. A revista americana Entertainment Weekly não deixou passar em branco um dos melhores álbuns de 2017. Nolan Feeney deu uma pontuação de “A”, revelando que “as composições de mudança de forma dão a este álbum uma paleta mais rica e dinâmica do que as batidas silenciosas e minimalistas de “Pure Heroine””. E foi nesta diferença, a par da mudança de abordagem das músicas, que Lorde trabalhou durante 18 meses. Will Hermes, da revista de música Rolling Stone, deu 4 de 5 estrelas a “Melodrama”. “A escrita e a sonoridade fantasticamente íntima de Lorde, que vão desde os seus seus “ruídos” de baixo registo não processados até todo o tipo de máscaras, fazem valer a pena”, revela. O foco da crítica de Hermes é, com toda a certeza, uma das características mais apreciadas em Lorde: a diferença na sua voz, que a torna tão única, num mundo pop em que os artistas são produzidos segundo o critério da igualdade.

Lorde surpreende-nos, com uma mente mais madura, e ao mesmo tempo frágil; rebentando com todos os estereótipos de “pop star”; fazendo-nos apaixonar pela adolescente, que se apresentou ao mundo sem vergonha da sua frenética dança e das suas “borbulhas”, importando-se com aquilo que realmente a faz feliz: a música.

Artigo da autoria de: Liliana Pedro

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS