Martin Scorsese lamenta a morte de Abbas Kiarostami

5 JULHO, 2016 -

O cineasta norte-americano Martin Scorsese lamentou a morte do realizador iraniano Abbas Kiarostami. O realizador, nascido em Teerão, venceu inúmeros prémios ao longo da sua carreia, tais como: uma Palma de Ouro no Festival de Cannes com o filme Taste of Cherry, em 1997, ou um Leão de Ouro no Festival de Veneza, em 1999, com o filme The Wind Will Carry Us.

Fiquei profundamente triste e chocado quando soube das notícias da morte de Abbas Kiarostami“, disse Scorsese em um comunicado oficial. “Ele era um desses raros artistas com um conhecimento especial do mundo. Como dizia o grande Jean Renoir: A realidade é sempre mágica’. Para mim, esta frase resume a obra extraordinária de Kiarostami.

Além de admirador confesso do trabalho do realizador asiático, Scorsese já homenageou Kiarostami noutras alturas, como por exemplo no Festival de Cinema Internacional de Marrakesh, no Marrocos, em 2005, quando entregou um prémio ao cineasta pelo conjunto da sua obra.
Alguns referem-se aos seus filmes comominimalistas, mas na verdade é o oposto. Cada cena de Taste of Cherry ou Where is the Friends Home transbordam beleza e surpresa. A paciência é capturada de forma requintada“, disse Scorsese na homenagem ao realizador.

O cineasta norte-americano disse ainda: “Conheci Abbas ao longo dos últimos 10 ou 15 anos. Ele era um ser humano muito especial: quieto, elegante, modesto, articulado e muito atento. Os nossos caminhos cruzavam-se muito raramente e eu ficava sempre feliz quando isso acontecia. Ele era um verdadeiro cavalheiro e um de nossos maiores artistas.

Nascido em Teerão, no Irão, Kiarostami faleceu ontem aos 76 anos, em Paris, vítima de cancro, diagnosticado em Março deste ano. O cineasta também foi fotógrafo, argumentista, produtor e poeta. Dirigiu e escreveu filmes como: Certified Copy (2010), Taste Of Cherry (1997), Close-Up (1990) ou The Wind Will Carry Us (1999).

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

O melhor elogio que se pode fazer a um grande artista é contemplar e discutir a sua obra. A