Mário de Sá-Carneiro: ‘E hoje, quando me sinto, é com saudades de mim’

18 MAIO, 2016 -

A 26 de Abril passado assinalou-se o centenário do falecimento de Mário de Sá-Carneiro. A sua associação a Fernando Pessoa é inevitável, contudo a sua genialidade tem ainda vivido na sombra de Pessoa e no laço que os unia. A referência a Fernando Pessoa neste artigo é meramente elucidativa do quão importante este era na vida de Mário de Sá-Carneiro pois é este último que pretendemos colocar, na sua monumental genialidade, a nu. Um retrato sem obscuridade das relações que este manteve com colegas de rebeldia literária, mas antes um retrato pleno da sua substância e ser.

Mario_Sa_Carneiro-1

Mário de Sá-Carneiro nasceu em Lisboa a 19 de Maio de 1890. Nascido no seio de uma família abastada da alta burguesia, Sá-Carneiro ficou órfão de mãe quando tinha apenas dois anos, tendo nessa altura ficado entregue aos cuidados dos avós, que viviam na freguesia de Camarate, perto de Lisboa, onde veio a passar grande parte da sua infância.

No ano de 1911, com 21 anos, muda-se para Coimbra, matriculando-se na Faculdade de Direito, porém não chega a concluir o ano. No ano seguinte viria a conhecer aquele que se tornaria no seu melhor amigo, Fernando Pessoa.

«Um pouco mais de sol – eu era brasa,
Um pouco mais de azul – eu era além
Para atingir, faltou-me um golpe de asa…
Se ao menos eu permanecesse aquém…
Assombro ou paz? Em vão… Tudo esvaído
Num grande mar enganador d´espuma;
E o grande sonho despertado em bruma,
O grande sonho – ó dor! – quasi vivido ..
Quasi o amor, quase o triunfo e a chama,
Quasi o princípio e o fim – quasi a expansão…
Mas na minh´alma tudo se derrama…
Entanto nada foi só ilusão!»

Quasi (excerto)
«Dispersão», 1914

Descontente em Coimbra, muda-se para Paris com o objectivo de concluir os seus estudos académicos com auxílio financeiro do seu pai. Contudo, cedo deixa de frequentar as aulas na Universidade de Sorbonne e dedica-se a uma vida boémia pelas ruas parisienses. É em Paris que compõe a sua obra literátia, entre 1912 até à sua morte, em 1916, retratando na sua escrita os seus desesperos e batalhas emocionais, e que, com pertinência também confidenciava essa sua dor ao amigo Fernando Pessoa em correspondência. As suas frustrações, a sua humanidade triste e trágica ficam eternizadas na sua escrita, tão singular. Sá-Carneiro retratou, numa curta carreira literária, a solidão, o abandono, a dor de existir, o sentimento de inadaptabilidade e a carência como ninguém mais soube retratar. Um nevoeiro imenso pairava sobre a vida do autor que mais tarde desistiria de lutar pelo dia em que este nevoeiro se dissipava e o sol raiaria alto em seus dias.

«Perdi-me dentro de mim
Porque eu era labirinto,
E hoje, quando me sinto,
É com saudades de mim.»

Dispersão
«Dispersão», 1914

Entre os anos de 1913 e 1914 regressa a Lisboa com regularidade devido aos conflitos que assolavam a Europa com a I Guerra Mundial, regressando a Paris no verão de 1915. Durante este período Sá-Carneiro e Pessoa continuam a trocar correspondência e embora hoje em dia apenas restem as cartas que Sá-Carneiro enviou, a imagem que este retrata com as suas palavras é tão vivida que é possível criar um rascunho imaginativo das cartas perdidas que Pessoa lhe haverá enviado. Contudo a sua crescente tristeza é cada vez mais patente na correspondência com o seu amigo Pessoa, onde Mário de Sá-Carneiro se confessa como um homem perdido num labirinto dentro de si mesmo.

«Paris, 31 de Março de 1916

Meu Querido Amigo,

A menos de um milagre na próxima segunda-feira, 3 (ou mesmo na véspera), o seu Mário de Sá-Carneiro tomará uma forte dose de estricnina e desaparecerá deste mundo. É assim tal e qual – mas custa-me tanto a escrever esta carta pelo ridículo que sempre encontrei nas “cartas de despedida”… Não vale a pena lastimar-me, meu querido Fernando: afinal tenho o que quero: o que tanto sempre quis – e eu, em verdade, já não fazia nada por aqui… Já dera o que tinha a dar. Eu não me mato por coisa nenhuma: eu mato-me porque me coloquei pelas circunstâncias – ou melhor: fui colocado por elas, numa áurea temeridade – numa situação para a qual, a meus olhos, não há outra saída. Antes assim. É a única maneira de fazer o que devo fazer. Vivo há quinze dias uma vida como sempre sonhei: tive tudo durante eles: realizada a parte sexual, enfim, da minha obra – vivido o histerismo do seu ópio, as luas zebradas, os mosqueiros roxos da sua Ilusão. Podia ser feliz mais tempo, tudo me corre, psicologicamente, às mil maravilhas: mas não tenho dinheiro. […]»

Mário de Sá-Carneiro suicidou-se em Paris a 26 de Abril de 1916, com 25 anos de idade.

«Quando eu morrer batam em latas,
Rompam aos saltos e aos pinotes,
Façam estalar no ar chicotes,
Chamem palhaços e acrobatas!
Que o meu caixão vá sobre um burro
Ajaezado à andaluza…
A um morto nada se recusa
E eu quero por força ir de burro!»

Fim
Paris, 1916

Por fim, deixamos-te este vídeo onde o escritor Valter Hugo Mãe lê alguns poemas de Mário de Sá-Carneiro

Texto de Joana Sousa
Fotografia Rui Soares

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

No expoente da cultura portuguesa figura Fernando Pessoa. Criador de várias personalidades às qua

No segundo piso do Teatro da Trindade, depois de passar dois lanço

Integrada no Ciclo de Mostra de Teatro "(A)Mostra", dinamizado pelo Teatro Sem Dono

Esta citação do Livro do Desassossego, de Bernardo Soares