Lisb-ON: a simbiose de DJ Koze, Motor City Drum Ensemble e Move D

12 SETEMBRO, 2017 -

Para o último dia da edição de 2017, o Lisb-ON levou ao seu Jardim Sonoro uma selecção marcadamente electrónica, num alinhamento que é aquele que a organização diz sempre ter querido fazer. Não é de estranhar que a selecção proviesse maioritariamente da Alemanha, o epicentro da cultura clubbing europeia. Aliás, os cinco artistas de que vos falaremos ao longo deste artigo têm todos uma relação próxima com a Alemanha; quer por terem nascido lá ou por lá se encontrarem sediados.

No último dia de Lisb-ON, a relva já se encontra totalmente pisada e o verde característico do festival está quase desaparecido do chão. O dia esteve ventoso, mas bastante solarengo, pelo que o cenário dos dias anteriores se repetiu: pessoas que idilicamente repousam à sombra, pondo conversas em dia, e muitas outras que já se vão abanando ao som da música calorosa de Move D. O artista alemão move-se pelo reino da techno estelar, mas este set foi povoado de sensibilidade housedisco, bastante bem recebida pelo público, que celebrava a música juntamente com o artista. Empunhando o seu copo de vinho e com um largo sorriso na cara, só faltava vir dançar para o meio do público ao som de cada faixa que saía dos seus discos.

Entretanto, o mood estava ligeiramente mais sombrio no palco Carlsberg Hillside, quando chegamos na transição entre Zé SalvadorNicolas Lutz. De algo mais apoteótico, passamos para música minimalista e cinzenta, que parece enquadrar-se melhor num clube nocturno de linhas direitas que num palco coberto de plantas, alimentado a energia fotovoltaica (mais uma das enormes iniciativas do Lisb-ON para se tornar num festival ecologicamente sustentável). Entretanto, abruptamente, a música pára, devido a uma falha técnica na turntable em acção. Não só o ambiente se aligeirou um pouco, como vemos Nicolas a soltar-se um pouco mais, com esta oportunidade de ter um novo começo.  Recomeça então com “Raw (Original Mix)”, de Ayman Awad. Agora, a música passa mais por algo que ouviríamos num rooftop algures; sofisticada e mais leve. Nesse momento, tivemos pena que o sol já se tivesse escondido por detrás dos edifícios que ladeiam o Parque Eduardo VII.

 

Ao regressarmos ao palco principal, vemos Move D a passar o testemunho a um seu conterrâneo, Motor City Drum Ensemble, que pega no que lhe é dado e o eleva à estratosfera. Movendo-se por territórios que lhe são familiares – sendo que o house é o género que o caracteriza – vai passando canções com as características vozes soul e ritmos saltitantes que obrigam o público a mexer-se como numa aula de step. Aliás, quem quer que ainda estivesse sentado ou deitado viu-se obrigado a levantar-se, tanto pela qualidade da música como pela súbita percepção de que faltavam apenas umas horas para o festival terminar. O set de MCDE torna-se facilmente no mais enérgico do festival, ao longo das duas horas em que Danilo Plessow se encontra a tomar conta dos pratos.

Por falar em pratos, a ginástica e o aproximar da típica hora de jantar levam-nos a perscrutar a oferta gastronómica do festival. Várias bancas de street food encontravam-se plantadas do lado esquerdo do palco, oferecendo os estandartes, como pizza ou cachorros-quentes, até coisas mais sui generis, como piadinas ou sushi. A oferta é variada e de qualidade, e provém maioritariamente de negócios portugueses. Podem ser produtos da gentrificação, por Portugal estar na moda, mas não há como negar que se posicionam bem.

Com o céu já em crepúsculo, a música mais negra de Maayan Nidam torna-se adequada ao festival. Bastou passar um par de horas para o ambiente mudar completamente. Para não se deixar abafar pelo som que vinha do palco principal, a artista baseada em Berlim dá uso ao belo sistema de som com linhas de baixo sujas e quase industriais, que fazem vibrar os tímpanos de formas que não achávamos possíveis. Juntando a isso os ritmos techno que se vão reinventando a cada interlúdio, o set torna-se ideal para aqueles que se usam a música electrónica para se virar para dentro de si e habitar o seu próprio mundo contido dentro de muitos decibéis. No entanto, a nossa despedida do palco secundário é relativamente curta, pois no palco principal valores mais altos se alevantarão.

O quebra-fronteiras DJ Koze já está a trocar de posto com MCDE, em mais uma troca que é reflexo da partilha de muitos outros palcos pelos três artistas que ali actuaram ao longo do dia, numa simbiose formidável. A energia imparável do set anterior teve de ser subjugada à técnica de Koze, que achou (com toda a razão) que devia haver uma espécie de descanso. Assim, a primeira metade começa mais experimental, numa ode à electrónica que se ouve mais do que se dança, com baixos apocalípticos e transições inventivas, como aquilo a que a sua música nos habituou. O público mantém-se dedicado, o que nos diz que ali estava quem realmente adora estes géneros musicais. Entretanto, a acumulação de energia desemboca numa segunda parte mais conduzida por ritmos techno intensos, aliados à descontracção e carisma do artista que aligeira o ambiente. O set torna-se então no clímax que o festival queria e precisava.

Ao fim de quatro anos em constante desenvolvimento e mudança, o Lisb-ON parece encontrar-se confortável na sua pele ecléctica. O que se pode sempre esperar é uma descontracção não igualada por outros festivais urbanos e um festival lindíssimo, tanto pela natureza envolvente daquele oásis no meio da cidade, como pela intervenção da equipa gráfica (de destacar o mapping das luzes projectadas nas árvores e o design conceptual dos cartazes). Ansiamos agora pelo descortinar da próxima edição.

Fotografias da autoria de Sara Miguel Dias

Comentários

Artigos que poderão ser do teu interesse

ARTIGOS RELACIONADOS

Stefan Kozalla fez um sample do seu próprio apelido para o seu nome artístico e ainda